fevereiro 28, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

As tensões estão aumentando entre a Guiana e a Venezuela devido a uma disputa territorial centenária

As tensões estão aumentando entre a Guiana e a Venezuela devido a uma disputa territorial centenária

CARACAS, Venezuela (AP) — Uma disputa territorial centenária se aprofundou devido… descoberta de petróleo Há um estado de turbulência entre as vizinhas Guiana e Venezuela. O governo venezuelano, impregnado de patriotismo, está a utilizar a luta para reforçar o apoio antes das eleições presidenciais entre uma população farta de uma crise que já dura uma década e que empurrou muitos para a pobreza.

No domingo, os venezuelanos concordaram em realizar um referendo para reivindicar a soberania sobre o país EssequiboÉ uma área rica em minerais que representa dois terços da área da Guiana e está localizada perto de grandes depósitos de petróleo offshore. Confronto militar Parece improvável neste momento, mas vários países fizeram eco das preocupações da Guiana sobre a anexação pelo seu vizinho.

Aqui estão alguns aspectos-chave do conflito crescente:

Por que as fronteiras são disputadas?

A Venezuela diz ter sido vítima de um plano de roubo de terras em 1899, quando a Guiana era uma colónia britânica e árbitros do Reino Unido, da Rússia e dos Estados Unidos decidiam a fronteira. Os Estados Unidos representaram a Venezuela em parte porque o governo venezuelano cortou relações diplomáticas com a Grã-Bretanha.

As autoridades venezuelanas afirmam que os americanos e os europeus conspiraram para enganar o seu país e tirá-lo da terra. Afirmam também que um acordo entre a Venezuela, a Grã-Bretanha e a colónia da Guiana Britânica assinado em 1966 para resolver o litígio invalidou efectivamente a arbitragem original.

A Guiana insiste que o acordo inicial é legal e vinculativo e pediu ao Supremo Tribunal da ONU em 2018 que o decidisse como tal, mas ainda faltam anos para uma decisão.

Qual é o papel do petróleo?

Em 2015, Principais depósitos de petróleo Foi descoberto pela primeira vez no mar de Essequibo por um consórcio liderado pela ExxonMobil, despertando o interesse da Venezuela, cujo compromisso de prosseguir a reivindicação territorial tem oscilado ao longo dos anos.

READ  Fortes chuvas e inundações matam pelo menos 136 em Ruanda e Uganda

O consórcio começou a extrair petróleo em dezembro de 2019, transformando a Guiana agrícola no quarto maior produtor mundial de petróleo offshore. As operações geram cerca de mil milhões de dólares por ano para a nação empobrecida de cerca de 800.000 habitantes, que viu a sua economia expandir quase 60% no primeiro semestre deste ano.

A produção diária actual de cerca de 380 mil barris deverá atingir 800 mil barris nos próximos anos. As exportações de petróleo bruto da Guiana foram em grande parte destinadas à Holanda e ao Panamá no mês passado, com grande parte do petróleo reexportado do Panamá para a Costa Oeste dos EUA, de acordo com a S&P Global.

Em Setembro, a Guiana abriu propostas para 14 blocos petrolíferos offshore adicionais disponíveis para exploração e desenvolvimento, com seis empresas e grupos a apresentar propostas. Estes incluem a ExxonMobil, que mais uma vez se associou à Hess, de propriedade norte-americana, e à China National Offshore Oil Corporation, e à Total Energy, de propriedade francesa, que fez parceria com empresas no Qatar e na Malásia.

Enquanto a indústria petrolífera da Guiana crescia, a indústria petrolífera da Venezuela declinava. A Venezuela tem as maiores reservas comprovadas de petróleo bruto do mundo, mas a sua indústria petrolífera tem sido prejudicada por anos de má gestão e sanções económicas impostas à empresa petrolífera estatal após a reeleição do presidente Nicolás Maduro em 2018, que foram amplamente vistas como fraudulento.

A Assembleia Nacional Venezuelana não publicou o texto da lei que utilizará para tentar implementar os resultados do referendo. Mas a parte que os legisladores discutiram na quinta-feira impediria empresas nacionais e estrangeiras de operar na Venezuela se também fizessem negócios na Guiana.

READ  Agentes russos ameaçam com prisão representantes do Google e da Apple

Por que Maduro está interessado em Essequibo agora?

Para Maduro e o seu partido no poder, o conflito de Essequibo representa uma oportunidade para reunir apoio interno e distrair os venezuelanos da pressão dos EUA para libertar prisioneiros políticos e americanos detidos injustamente, bem como para garantir condições livres e justas nas eleições presidenciais do próximo ano.

Antes do referendo de 3 de dezembro, os venezuelanos também o eram Bombardeado por semanas Com música temática de Essequibo, aulas de história transmitidas pela televisão nacional, murais, desfiles e conteúdo de mídia social.

O tiro parece ter saído pela culatra.

O governo afirma que cerca de 10,5 milhões de pessoas – pouco mais de metade dos eleitores elegíveis – votaram. Afirma que os eleitores concordaram em rejeitar as fronteiras de 1899 “por todos os meios”, transformar Essequibo num Estado, conceder aos residentes da região a cidadania venezuelana e negar a jurisdição do tribunal da ONU sobre a disputa. Mas jornalistas da Associated Press e testemunhas nos centros de votação disseram que as longas filas típicas das eleições venezuelanas nunca se formaram.

E então?

A empresa de segurança internacional Global Guardian espera que a Venezuela aumente gradualmente as tensões e chegue ao ponto de realizar exercícios navais perto da Guiana, disse Zev Ventosh, analista sênior de inteligência da empresa.

“Podemos até ver alguma atividade transfronteiriça muito pequena”, disse ele, acrescentando que espera que a atividade aumente até que sejam realizadas eleições na Venezuela. “O interesse de Maduro é ser reeleito e levar mais do seu petróleo aos mercados petrolíferos.”

Ele disse que seria quase impossível conquistar toda a região de Essequibo, que é vasta, sem estradas e escassamente povoada.

READ  A noite do Papa correu "bem" após a sua cirurgia intestinal em Roma

O vice-presidente da Guiana, Bharrat Jagdeo, instou na quinta-feira as empresas petrolíferas com concessões perto da região de Essequibo a ignorarem as declarações e ações de Maduro, e alertou que a Guiana tomaria todas as medidas necessárias para proteger a sua soberania.

“Quaisquer tentativas de empresas petrolíferas estatais ou governamentais de explorar petróleo na nossa região serão vistas como interferência da Guiana”, disse Jagdeo. “Se (Maduro) acredita que a hostilidade e as ameaças à Guiana levarão às conversações bilaterais necessárias, está completamente enganado”, acrescentou.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas realizou uma reunião especial de emergência sobre o assunto na sexta-feira, com líderes mundiais e organizações internacionais apoiando a Guiana. Separadamente, membros do bloco comercial regional conhecido como Caricom também convocaram uma reunião a portas fechadas na sexta-feira para discutir a disputa.

A Organização dos Estados Americanos afirmou num comunicado que as fronteiras de 1899 estão “em vigor e são juridicamente vinculativas para todas as partes ao abrigo do direito internacional”. Também acusou o governo de Maduro de assumir uma “postura agressiva” e de “continuar a tomar e promover ações ilegais contra a Guiana”.

A organização acrescentou que está profundamente preocupada com a situação, “que se agravou a um ponto que suscita grande preocupação para a segurança regional e constitui uma ameaça à estabilidade e soberania regional no Hemisfério Ocidental”.

___

Cotto relatou de San Juan, Porto Rico.