fevereiro 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

As inspeções do 737 MAX foram adiadas enquanto a Boeing revisa suas orientações

As inspeções do 737 MAX foram adiadas enquanto a Boeing revisa suas orientações

Reguladores federais disseram na terça-feira que a Boeing está revisando suas instruções sobre como as companhias aéreas inspecionam seu jato 737 Max 9, atrasando os esforços do fabricante para colocar o avião de volta no ar depois que um painel de um dos aviões explodiu durante um voo no final da semana passada.

A FAA disse que a empresa mudaria as instruções emitidas na segunda-feira com base no feedback, mas a agência não forneceu mais detalhes. As instruções sobre como cumprir as regras da FAA são frequentemente elaboradas e distribuídas pelos fabricantes de aeronaves, com contribuições das companhias aéreas e da agência federal para garantir que possam ser seguidas de forma consistente pelos técnicos.

“Ao receber a versão revisada da instrução da Boeing, a FAA conduzirá uma revisão abrangente”, disse a FAA em comunicado. “A segurança pública, e não a velocidade, determinará o cronograma para o retorno ao serviço do Boeing 737-9 MAX.”

O anúncio de que a Boeing está revisando as instruções ocorre depois que duas companhias aéreas relataram ter encontrado peças desmontadas na área do painel sob inspeção.

A Administração Federal de Aviação disse no sábado que exigiria inspeções de aviões depois que um desses painéis explodiu durante um voo da Alaska Airlines que decolou de Portland, Oregon, no dia anterior. Embora não tenham sido relatados feridos graves, o acidente expôs os passageiros a ventos fortes e levantou novas preocupações sobre as práticas de controle de qualidade da Boeing. O acidente também forçou as companhias aéreas que operam aeronaves Max 9 a cancelar dezenas de voos.

A explosão é a mais recente de uma série de reveses para a Boeing, que tem lutado para reconquistar a confiança do público depois de dois acidentes do Boeing 737 Max 8 em 2018 e 2019, que mataram 346 pessoas.

READ  Em batalha judicial com o Twitter, Elon Musk aponta para o governo indiano

Não ficou imediatamente claro como o plano inicial da Boeing falhou. A empresa informou na manhã de segunda-feira que compartilhou instruções com as companhias aéreas sobre como inspecionar o painel danificado, também conhecido como tampão de porta, que cobre o espaço onde será instalada a porta de saída. Horas depois, a FAA disse que havia “concordado com um método para cumprir” a ordem da agência emitida no sábado, parecendo confirmar a declaração da Boeing. As inspeções concentram-se nas vedações das portas, nos componentes das portas e nos fixadores.

Após esses anúncios, a Alaska Airlines e a United, as duas maiores operadoras do Max 9, afirmaram ter encontrado peças desmontadas durante as inspeções iniciais do painel.

Investigadores do National Transportation Safety Board encontraram uma vedação de porta em um avião da Alaska Airlines, mas disseram na segunda-feira que ainda estavam procurando por algumas peças relacionadas.

O CEO da Boeing, Dave Calhoun, dirigiu-se aos funcionários em uma reunião na tarde de terça-feira, prometendo transparência na resposta da empresa.

“Vamos lidar com isso – número 1 – admitindo nosso erro”, disse ele, falando de uma fábrica na área de Seattle onde a empresa fabrica aviões, incluindo o Max, segundo trechos fornecidos pela Boeing. “Vamos abordar isso 100 por cento e com total transparência em cada etapa do caminho.”

Calhoun, que assumiu o comando da empresa em janeiro de 2020 depois que seu antecessor foi forçado a renunciar durante a crise anterior do Max, disse que a empresa trabalharia em estreita colaboração com investigadores federais. Ele também disse que ficou emocionado ao ver pela primeira vez uma foto do acidente. Um adolescente e sua mãe, nenhum dos dois gravemente feridos, estavam sentados ao lado da pintura que explodiu.

READ  Dados de consumidores e fábricas na China ficaram abaixo das expectativas em julho

“Tenho filhos, tenho netos e você também”, disse ele. “Essas coisas são importantes. Cada detalhe é importante.”

Durante o voo de sexta-feira, que transportava 171 passageiros e seis tripulantes, os pilotos e comissários tiveram dificuldade de comunicação entre si após a explosão do painel. Jennifer Homendy, chefe do conselho de segurança, disse durante entrevista coletiva na noite de segunda-feira que os tripulantes ficaram surpresos quando a porta que separava a cabine do habitáculo se abriu. Isso expôs os pilotos a ventos fortes e ruídos na cabine, dificultando a audição uns dos outros e a comunicação com o controle de tráfego aéreo.

Ms Homendy disse que a porta da cabine foi projetada para abrir durante um evento de descompressão rápida, mas a tripulação não estava ciente desse recurso no avião. Ela disse que a Boeing planeja fazer alterações em seu manual para informar as tripulações.

O avião do Alasca estava a uma altitude de 16.000 pés quando o painel explodiu, mas o acidente poderia ter sido mais catastrófico se tivesse acontecido a uma altitude mais elevada. Se o avião estivesse voando a mais de 30.000 pés, os passageiros teriam se movimentado pela cabine e teriam menos tempo para colocar máscaras de oxigênio e apertar o cinto com segurança.

Como primeiro passo, a agência trabalhará em estreita colaboração com a Boeing para desenvolver um processo que garanta que todos os conectores de porta dos aviões 737 MAX 9 estejam devidamente protegidos, disse o ex-administrador interino da FAA, Billy Nolen, em entrevista.

O resultado deverá ser instruções detalhadas informando às companhias aéreas como inspecionar adequadamente as portas, completadas com diagramas dos pinos e parafusos que prendem as vedações das portas ao avião. A orientação será então revisada e aprovada pela FAA. A agência disse que espera que os funcionários das companhias aéreas passem entre quatro e oito horas inspecionando cada avião.

READ  As ações da PANW são exibidas como ganhos e estimativas de receita mais altas

Após a explosão do painel na sexta-feira, algumas companhias aéreas iniciaram inspeções preliminares enquanto aguardavam instruções formais da Boeing aprovadas pelos reguladores, disse Nolen, que anteriormente chefiou o Escritório de Segurança da Aviação da Administração Federal de Aviação.

“Meu entendimento é que eles precisam de um conjunto detalhado de padrões emitidos pela Boeing, aprovados pela FAA”, disse ele. “Eles têm que revisá-lo e assiná-lo.”

Você trabalha na aviação? O New York Times quer ouvir sua história. Compartilhe suas experiências conosco abaixo e você poderá aprender mais sobre elas Nossos relatórios estão aqui. Queremos ouvir especialmente as pessoas que trabalham (ou trabalharam em) aeroportos ou companhias aéreas, ou que fazem parte de agências governamentais que ajudam a manter o setor da aviação em funcionamento. Não publicaremos nenhuma parte da sua inscrição sem a sua permissão.