dezembro 8, 2023

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Arqueólogos descobriram a estrutura de madeira mais antiga do mundo

Arqueólogos descobriram a estrutura de madeira mais antiga do mundo

O professor Larry Barham (foto, à direita) revela a estrutura de madeira à beira do rio com um spray suave. Crédito: Professor Geoff Dowler, Aberystwyth University

Uma pesquisa da Universidade de Liverpool e da Universidade de Aberystwyth revelou que os humanos construíam estruturas de madeira há 476 mil anos em Kalambo Falls, na Zâmbia. A descoberta, datada através de técnicas avançadas, destaca a capacidade do homem primitivo de se estabelecer e desafia noções anteriores sobre os estilos de vida da Idade da Pedra.

Há meio milhão de anos, antes do que se pensava, os humanos construíam estruturas feitas de madeira, de acordo com uma nova pesquisa realizada por uma equipe da Universidade de Liverpool e da Universidade de Aberystwyth.

Pesquisa publicada na revista natureza, Relatos da escavação de madeira bem preservada no sítio arqueológico de Kalambo Falls, na Zâmbia, datam de pelo menos 476.000 anos e são anteriores ao desenvolvimento da nossa era. Classificar, Homo sapiens.

Equipe de detecção de estrutura de madeira

A equipe de escavação revela a estrutura de madeira. Crédito: Professor Larry Parham, Universidade de Liverpool

A análise especializada de marcas de corte de ferramentas de pedra na madeira mostra que esses primeiros humanos moldaram e uniram dois grandes pedaços de madeira para criar uma estrutura, talvez a fundação de uma plataforma ou parte de uma habitação.

Esta é a evidência mais antiga do mundo de fabricação deliberada de troncos de árvores para se encaixarem. Até agora, as evidências do uso humano da madeira limitaram-se ao seu uso para fazer fogueiras e esculpir paus e lanças.

Um pedaço de madeira em forma de cunha

Um pedaço de madeira em forma de cunha. Crédito: Professor Larry Parham, Universidade de Liverpool

Conservação em Kalambo Falls

A madeira raramente é encontrada em locais tão antigos porque geralmente apodrece e desaparece, mas nas Cataratas de Kalambo, os níveis de água permanentemente elevados preservaram a madeira.

Esta descoberta desafia a visão predominante de que os humanos da Idade da Pedra eram nómadas. Em Kalambo Falls, estas pessoas não só tinham uma fonte constante de água, mas a floresta circundante fornecia-lhes comida suficiente para lhes permitir instalar-se e erguer estruturas.

Descubra a estrutura de madeira

A equipe de escavação revela a estrutura de madeira. Crédito: Professor Larry Parham, Universidade de Liverpool

O professor Larry Parham, do Departamento de Arqueologia, Clássicos e Egiptologia da Universidade de Liverpool, que lidera o projeto de pesquisa Deep Roots of Humanity, disse:

“Essa descoberta mudou a maneira como eu pensava sobre nossos primeiros ancestrais. Esqueça o rótulo de ‘Idade da Pedra’ e veja o que essas pessoas estavam fazendo: eles estavam fazendo algo novo e incrível com madeira. Eles estavam usando sua inteligência, imaginação e habilidade para criar algo que nunca tinham visto antes, algo que não existia.” antes.

“Eles transformaram o ambiente para tornar a vida mais fácil, mesmo que apenas criando uma plataforma para sentar à beira do rio e fazer as tarefas diárias. Essas pessoas eram mais parecidas conosco do que pensávamos.”

Estrutura de madeira da Idade da Pedra

A estrutura de madeira, mostrando onde os humanos da Idade da Pedra cortavam a madeira. Crédito: Professor Larry Parham, Universidade de Liverpool

História das descobertas

A datação especializada das descobertas foi realizada por especialistas da Universidade de Aberystwyth.

Eles usaram novas técnicas de datação por fluorescência, que revelam a última vez que os minerais na areia ao redor dos achados foram expostos à luz solar, para determinar sua idade.

O professor Geoff Dowler, da Aberystwyth University, disse:

“Nesta grande era, datar descobertas é extremamente difícil e usamos a datação por luminescência para fazê-lo. Esses novos métodos de datação têm implicações de longo alcance – permitindo-nos datar muito mais atrás no tempo e reunir locais que nos dão um vislumbre O sítio em Kalambo Falls foi escavado na década de 1960, quando foram encontradas peças de madeira semelhantes, mas não foi possível datá-las, por isso a verdadeira importância do sítio ainda não estava clara.

Cataratas de Kalambo, Zâmbia

Kalambo Falls, Zâmbia, onde a madeira foi encontrada. Crédito, Professor Geoff Dowler, Aberystwyth University

Importância arqueológica das Cataratas Kalambo

O local das Cataratas de Kalambo está localizado no rio Kalambo, acima de uma cachoeira de 235 m (772 pés) de altura, na fronteira da Zâmbia com o distrito de Rukwa, na Tanzânia, às margens do Lago Tanganica. A área está em uma lista “provisória” da UNESCO para se tornar Patrimônio Mundial devido à sua importância arqueológica.

O professor Doler acrescentou:

“A nossa investigação prova que este local é muito mais antigo do que se pensava anteriormente e, portanto, a sua importância arqueológica é agora ainda maior. Isto acrescenta ainda mais peso ao argumento de que deveria ser um Património Mundial da ONU.”

Esta pesquisa faz parte do projeto pioneiro Deep Roots of Humanity, uma investigação sobre como a tecnologia humana evoluiu na Idade da Pedra. O projecto é financiado pelo Conselho de Investigação em Artes e Humanidades do Reino Unido e envolve equipas da Comissão Nacional de Conservação do Património da Zâmbia, do Museu Livingstone, do Museu Motu-Motu e do Museu Nacional de Lusaka.

O professor Barham acrescentou:

“As Cataratas de Kalambu são um local excepcional e um dos principais activos patrimoniais da Zâmbia. A equipa da Deep Roots espera descobertas mais emocionantes que surjam das suas areias submersas.”

Referência: “Evidência do uso estrutural inicial da madeira há pelo menos 476.000 anos” por L. Barham, GAT Duller, I. Candy, C. Scott, CR Cartwright, JR Peterson, C. Kabukcu, MS Chapot, F. Melia, V Rots, N. George, N. Taipale, P. Gethin e P. Nkombwe, 20 de setembro de 2023, natureza.
doi: 10.1038/s41586-023-06557-9

READ  Lua Cheia de Agosto: Quando Ver a Lua Gigante do Esturjão