abril 25, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Argentina rejeita oficialmente adesão ao BRICS – DW – 29/12/2023

Argentina rejeita oficialmente adesão ao BRICS – DW – 29/12/2023

Argentina O presidente Javier Miley enviou cartas para BRICS Na sexta-feira, os líderes mundiais anunciaram a formalização da sua decisão de retirar o seu país da planeada adesão à Aliança das Grandes Economias Emergentes.

Miley disse que o momento não era “certo” para a Argentina aderir como membro pleno.

O bloco – formado pelos países do G20: Brasil, Rússia, ÍndiaChina e África do Sul – anunciaram em Agosto a sua aceitação Seis novos membros.

Adesão da Argentina, Etiópia, Irão, Reino da Arábia SauditaEgito e Emirados Árabes Unidos, e estava programado para entrar em vigor em 1º de janeiro de 2024.

Países BRICS Representa actualmente cerca de 40% da população mundial e mais de um quarto do PIB global, com cerca de 14 países, principalmente da Ásia, África e Médio Oriente, interessados ​​em aderir ao bloco.

Miley reflete os planos de seu antecessor

As cartas assinadas por Miley e publicadas por vários meios de comunicação diziam que a adesão da Argentina “não é considerada apropriada no momento”, mas que Miley expressou a sua vontade de realizar reuniões com cada um dos cinco líderes do BRICS.

Miley, que não é do Partido Liberal, assumiu o cargo este mês após a derrota retumbante dos partidos políticos tradicionais na Argentina, e prometeu durante sua campanha eleitoral não se juntar ao grupo BRICS.

Disse em suas cartas que sua política externa “difere em muitos aspectos da política do governo anterior. Nesse sentido, algumas decisões tomadas pela administração anterior serão revistas”.

O antecessor de Miley, o ex-presidente de centro-esquerda Alberto Fernandez, apoiou a adesão à aliança como uma oportunidade de acesso a novos mercados.

Argentina 'não se aliará aos comunistas'

Miley disse durante sua campanha eleitoral: “Nossa aliança geopolítica é com os Estados Unidos e Israel. Não nos aliaremos aos comunistas.”

Ao longo da campanha presidencial, Miley menosprezou os países governados por “comunistas” e declarou que não manteria relações diplomáticas com eles, apesar do aumento do investimento chinês na América do Sul.

Apesar da sua promessa de cortar relações com os principais parceiros comerciais, a China e o Brasil, ele assumiu um tom mais conciliador desde que assumiu o cargo.

Miley se define como um “anarcocapitalista”. Uma série de medidas foram implementadas Liberalizar a economia, que nas últimas décadas tem sido caracterizada pela intervenção estatal.

Pouco depois de assumir o cargo Miley alertou sobre seus planos econômicosAfirmar que “não há alternativa à austeridade nem alternativa à terapia de choque”.

Ele insistiu que os seus antecessores tinham deixado o país sem dinheiro e no caminho da hiperinflação.

O que os BRICS querem?

Este navegador não suporta o componente de vídeo.

MDS/LO (AFP, AP)