maio 27, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Alerta de tempestade solar: a NASA espera um impacto direto na Terra de uma colisão ‘rápida’ – onde ela atingirá? | ciência | Notícias

Alerta de tempestade solar: a NASA espera um impacto direto na Terra de uma colisão 'rápida' - onde ela atingirá?  |  ciência |  Notícias

A tempestade deve atingir a Terra em algum momento na segunda-feira, 28 de março. Uma tempestade solar é um distúrbio de partículas caindo devido às explosões eletromagnéticas do sol.

A NASA espera que a tempestade solar chegue por volta da meia-noite GMT de segunda-feira.

No entanto, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) acredita que chegará dezoito horas mais cedo, por volta das 6h.

Quando o vento solar atinge o campo magnético da Terra, sua interação faz com que a atmosfera brilhe.

Isso é conhecido como aurora boreal, ou aurora boreal no hemisfério norte.

A Dra. Tamitha Skov – conhecida como a “Mulher do Clima Espacial” por suas previsões celestes online – está prevendo a recepção de rádio de alta frequência e problemas em qualquer lado da Terra quando uma tempestade solar atingir.

Ela acrescentou que as previsões da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) “indicam uma tempestade solar mais rápida que atingirá mais”.

Skov disse que os efeitos “podem atingir latitudes médias” na superfície do planeta.

Questionada sobre onde os observadores do céu poderiam ver a aurora boreal da tempestade, ela sugeriu que as pessoas na zona rural de Nova York poderiam localizá-las, mas alguém tão ao sul quanto Utah não.

Nova York fica abaixo do Reino Unido, então há uma chance de os britânicos de olhos de águia conseguirem identificar os holofotes.

No Hemisfério Sul, Skov disse que os moradores do sul da Nova Zelândia e da Tasmânia podem ver a aurora boreal “desde que esteja escuro o suficiente” e a tempestade atingir durante a noite.

No entanto, quem mora em cidades australianas como Victoria e Perth pode não ter tanta sorte.

READ  Três galáxias se separam nesta impressionante nova imagem do Telescópio Hubble

Isso ocorre porque as partículas solares que atingem a Terra durante a tempestade são “desviadas em direção aos pólos” pelo campo magnético da Terra.

Billy Tates, astrônomo da Universidade Vanderbilt, no Tennessee, explicou que os depósitos de energia que isso cria fazem com que a atmosfera brilhe ao redor dos pólos.

Embora seja uma bela visão para alguns, as tempestades solares podem ter efeitos prejudiciais nos sistemas logísticos e de navegação do planeta.

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) adverte: “Embora as tempestades criem belas auroras, elas também podem interromper sistemas de navegação como o Sistema Global de Navegação por Satélite (GNSS) e criar correntes geomagnéticas prejudiciais (GICs) na rede elétrica e nos dutos”.

Grandes tempestades solares, na forma de ejeções de massa coronal, podem ter efeitos devastadores na Terra e na infraestrutura humana.

O evento Carrington de 1859 é a tempestade geomagnética mais mortal até agora registrada, que viu a aurora boreal até o sul do Caribe, mas as linhas telegráficas falharam em toda a América.

Os pesquisadores acreditam que, se o evento Carrington tivesse ocorrido hoje, teria causado distúrbios elétricos generalizados, apagões e danos à rede elétrica.

Tempestades semelhantes foram registradas nos anos seguintes. Em fevereiro, uma pequena tempestade magnética destruiu 40 satélites SpaceX Starlink.