julho 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Acontece que o planeta Star Trek da vida real é apenas uma ilusão de estrela

Acontece que o planeta Star Trek da vida real é apenas uma ilusão de estrela

Um conceito artístico do planeta potencial proposto anteriormente, HD 26965 b – frequentemente comparado ao “Vulcano” fictício do universo Star Trek. Crédito: Laboratório de Propulsão a Jato-Caltech

Uma nova pesquisa refuta a existência de Vulcano, um planeta que se acredita orbitar 40 Eridani A, e atribui os sinais detectados à atividade na superfície da estrela.

O planeta que se pensa orbitar a estrela 40 Eridani A – anfitrião do planeta fictício de Spock, Vulcano, no universo “Star Trek” – é na verdade uma espécie de ilusão astronómica causada pelas pulsações e contrações da própria estrela. Isto está de acordo com um novo estudo publicado em Revista astronômica.

Excitação inicial e dúvidas subsequentes

A potencial descoberta de um planeta orbitando uma estrela que ficou famosa pela série Star Trek gerou entusiasmo e muito interesse quando foi anunciada em 2018. Apenas cinco anos depois, o planeta parecia estar em terreno instável enquanto outros pesquisadores questionavam se ele existia de forma alguma. . Agora, use medições precisas NASA– O instrumento NSF, instalado há alguns anos em Kitt Peak, no Arizona, parece ter trazido o planeta Vulcano, mais especificamente, de volta ao reino da ficção científica.

Métodos para detectar exoplanetas

Dois métodos de descoberta de exoplanetas – planetas orbitando outras estrelas – dominam todos os outros na busca contínua por novos mundos estranhos. O método de trânsito, que observa a pequena queda na luz estelar quando um planeta cruza a face da sua estrela, é responsável pela grande maioria das detecções. Mas o método da “velocidade radial” também alcançou uma boa parcela de Exoplaneta Descobertas. Este método é particularmente importante para sistemas contendo planetas que não cruzam as faces das suas estrelas da perspectiva da Terra. Ao rastrear mudanças sutis na luz das estrelas, os cientistas podem medir a “oscilação” na própria estrela, à medida que a gravidade do planeta que ela orbita a puxa em uma direção e depois em outra. Para planetas muito grandes, o sinal de velocidade radial muitas vezes leva a detecções planetárias inequívocas. Mas planetas não grandes podem ser um problema.

READ  O Telescópio James Webb decifra buracos negros no universo primitivo

Questionando a existência de Vulcano

Mesmo os cientistas que fizeram a possível descoberta original de HD 26965 b — em comparação com o planeta fictício Vulcano — alertam que pode acabar por ser apenas divagações estelares confusas disfarçadas de planeta. Eles relataram evidências da existência de “super-Terras” – maiores e menores que a Terra Netuno – Numa órbita de 42 dias em torno de uma estrela semelhante ao Sol, a cerca de 16 anos-luz de distância. A nova análise, utilizando medições de velocidade radial de alta resolução que ainda não estavam disponíveis em 2018, confirma que se justificava cautela sobre a potencial descoberta.

Ferramenta NEID esclarece incertezas

A má notícia para os fãs de Star Trek vem de um instrumento conhecido como NEID, uma adição recente ao complexo de telescópios do Observatório Nacional Kitt Peak. O NEID, tal como outros instrumentos de velocidade radial, baseia-se no efeito “Doppler”: mudanças no espectro óptico de uma estrela que revelam os seus movimentos oscilantes. Neste caso, a análise do suposto sinal do planeta em diferentes comprimentos de onda de luz, proveniente de diferentes níveis da camada externa da estrela, ou fotosfera, revelou diferenças significativas entre as medições de comprimento de onda individuais – seus desvios Doppler – e o sinal geral quando todos estavam combinado. Isto significa que, com toda a probabilidade, o sinal do planeta é na verdade um flash de algo na superfície da estrela que coincide com uma rotação de 42 dias – talvez a vibração das camadas mais quentes e mais frias abaixo da superfície da estrela, chamada convecção, juntamente com características da superfície estelar. Como manchas e “placas”, que são áreas brilhantes e ativas. Ambos podem alterar os sinais de velocidade radial da estrela.

READ  Helicóptero Ingenuity Mars da NASA completa sua missão

A possibilidade de descobertas futuras

Embora a nova descoberta, pelo menos por enquanto, prive a estrela 40 Eridani A do seu potencial planeta Vulcano, as notícias não são de todo más. A demonstração dessas medições de velocidade radial bem ajustadas promete fazer distinções observacionais mais nítidas entre os planetas reais e as oscilações e chocalhos nas superfícies de estrelas distantes.

Até a destruição de Vulcano era esperada no universo Star Trek. Vulcano foi identificado pela primeira vez como o planeta natal de Spock na série de televisão original dos anos 1960. Mas no filme “Star Trek” de 2009, um vilão romulano chamado Nero usa um dispositivo artificial. Buraco negro Para acabar com a existência do mundo natal de Spock.

Uma equipe científica liderada pela astrônoma Abigail Burroughs do Dartmouth College, ex-Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, publicou um artigo descrevendo a nova descoberta, “Morte de Vulcano: NEID revela que o candidato ao planeta em órbita HD 26965 é atividade estelar”. Revista astronômica Em maio de 2024 (Nota: HD 26965 é uma designação alternativa para a estrela 40 Eridani A.)

Referência: “Death of Vulcan: NEID Reveals Planet Candidate Orbiting HD 26965 Is Stellar Activity*” por Abigail Burrows, Samuel Halvorson, Jared C. Siegel, Christian Gilbertson, Jacob Lunn, Jennifer Burt, Chad F. Bender, Arpita Roy, Ryan C . Therrien, Selma Vangsten, Suvrath Mahadevan, Jason T. Wright, Paul Robertson, Eric B. Ford, Gumundur Stefansson, Joe B. Neenan, Colin H. Blake, Michael W. McElwain, Christian Schwab e Jinglin Zhao, 26 de abril de 2024, Revista astronômica.
doi: 10.3847/1538-3881/ad34d5