junho 18, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

A medida preferida do Fed para o núcleo da inflação parece estar esfriando

A medida preferida do Fed para o núcleo da inflação parece estar esfriando

(Bloomberg) — O indicador de inflação de linha de frente do Federal Reserve está prestes a mostrar algum alívio modesto das persistentes pressões sobre os preços, apoiando a sabedoria dos bancos centrais sobre o momento dos cortes nas taxas de juros.

Mais lidos da Bloomberg

Os economistas esperam que as despesas de consumo pessoal menos o índice de preços dos alimentos e da energia – com divulgação prevista para sexta-feira – subam 0,2% em Abril. Isto representaria o menor avanço até agora neste ano para a medida, que fornece uma visão melhor do núcleo da inflação.

O índice geral de preços das despesas de consumo pessoal provavelmente subiu 0,3% pelo terceiro mês, de acordo com a previsão mediana de uma pesquisa da Bloomberg. Os aumentos deste ano contrastam com leituras relativamente estáveis ​​nos últimos três meses de 2023, sublinhando o progresso desigual da Fed na sua batalha contra a inflação.

O presidente do Fed, Jerome Powell, e os seus colegas sublinharam a necessidade de mais provas de que a inflação está num caminho sustentável em direção à meta de 2% antes de cortar a taxa de juro de referência, que atingiu o máximo em duas décadas desde julho.

Espera-se que a medida de preços do PCE aumente 2,7% ano a ano, enquanto a medida central deverá atingir 2,8% – ambos consistentes com os níveis do mês anterior.

As autoridades reuniram-se no início deste mês sobre o desejo de manter as taxas de juro mais altas por mais tempo e “muitos” questionaram se a política era suficientemente restritiva para reduzir a inflação para a sua meta, de acordo com a ata da sua última reunião.

Leia mais: Ata mostra que autoridades se mobilizam em torno de taxas de juros mais altas por mais tempo

Os últimos números da inflação serão acompanhados por números de gastos e rendimentos pessoais. Embora a procura tenha crescido a um ritmo forte no primeiro trimestre, os dados reportarão os gastos com serviços depois de as vendas a retalho divulgadas anteriormente em Abril terem estabilizado.

O que a Bloomberg Economics diz:

“É provável que o relatório forneça alguns sinais encorajadores de que o processo de desaceleração da inflação não parou completamente. Com o crescimento do rendimento a abrandar num contexto de mercado de trabalho frio, os consumidores estão gradualmente a começar a ceder, o que deverá proporcionar um impulso deflacionista sustentado ao resto do mundo. No entanto, à medida que as pressões sobre os preços continuam a aumentar, é provável que a inflação diminua muito gradualmente este ano.

READ  O vencedor da Powerball, Edwin Castro, compra sua luxuosa segunda casa

—Anna Wong, Stuart Ball, Elisa Wenger e Estelle Au, economistas. Para a análise completa, clique aqui

Outros dados da semana incluem o PIB revisado do primeiro trimestre na quinta-feira. Os economistas esperam que o crescimento possa desacelerar em relação à estimativa inicial do governo. Na quarta-feira, a Reserva Federal divulgará um resumo do Livro Bege das condições económicas em todo o país.

Entre os banqueiros centrais dos EUA que falaram durante a semana encurtada pelo feriado estavam John Williams, Lisa Cook, Neel Kashkari e Lori Logan.

Olhando para norte, o Canadá divulgará os dados do PIB do primeiro trimestre. A diminuição do dinamismo mensal em Março e a fraca procura interna deverão manter um corte nas taxas em Junho a favor do banco central.

Noutros lugares, um potencial aumento da inflação na Zona Euro, os dados industriais chineses e os números do PMI, e os relatórios de preços do Brasil estarão entre os destaques.

Clique aqui para saber o que aconteceu na semana passada. Abaixo está um resumo do que acontecerá na economia global.

Ásia

O setor manufatureiro da China estará no centro das atenções na próxima semana. Os dados industriais divulgados na segunda-feira mostrarão se os lucros recuperaram em abril, após um declínio acentuado em março, que empurrou o ritmo dos ganhos nos primeiros três meses para 4,3%.

A deflação contínua dos preços ao produtor e a fraca procura interna poderão manter a rentabilidade sob pressão. A China receberá dados oficiais do PMI industrial na sexta-feira, com foco em saber se a medida permanecerá acima do limite de 50 que separa a contração da expansão pelo terceiro mês em maio.

Também na sexta-feira, espera-se que o crescimento da produção industrial do Japão desacelere, enquanto as vendas no varejo aceleram em abril.

A taxa de inflação ao consumidor de Tóquio poderá subir ligeiramente em Maio, anunciando ganhos para os números nacionais.

Entretanto, a China, o Japão e a Coreia do Sul realizarão a sua primeira cimeira trilateral desde 2019, com Tóquio e Seul a pressionarem Pequim através da aproximação com os Estados Unidos em questões que vão desde a segurança à produção de semicondutores.

Espera-se que o crescimento dos preços ao consumidor na Austrália desacelere para 3,3%, ainda suficientemente quente para manter o Reserve Bank of Australia em alerta.

O Vietnã também anuncia dados do índice de preços ao consumidor, juntamente com a produção industrial, vendas no varejo e comércio durante a semana.

Nos bancos centrais, o Cazaquistão fixa a sua taxa de juro de referência na sexta-feira.

READ  Como a mulher que se fez sozinha mais rica da América passou de dívida a bilionária

Europa, Médio Oriente, África

Na zona euro, a inflação poderá acelerar em Maio para 2,5%, segundo as previsões dos economistas. Espera-se que a medida central pare de enfraquecer pela primeira vez desde julho, fixando-se em 2,7%.

Em linha com os dados mais amplos da zona euro, espera-se que as divulgações nacionais, começando com os dados alemães na quarta-feira, tenham ido na direcção errada em três das quatro maiores economias da região. Apenas a Itália está a assistir a um abrandamento no crescimento dos preços.

Estes resultados dificultam o progresso no sentido da meta de 2% do BCE, mas os sinais contínuos dos responsáveis ​​de um corte de um quarto de ponto nas taxas em 6 de Junho tornam improvável que um único mês de dados os descarrile. No entanto, alguns decisores políticos opõem-se a qualquer pressão no sentido de uma maior flexibilização.

“A probabilidade é crescente de que dentro de 13 dias veremos o primeiro corte nas taxas de juro”, disse o presidente do Bundesbank alemão, Joachim Nagel, um falcão político, numa entrevista na sexta-feira. “Se houver um corte nas taxas em junho, teremos que esperar, e acho que teremos que esperar talvez até setembro.”

Outros relatórios na zona euro incluem o índice de confiança empresarial Ifo da Alemanha na segunda-feira, a pesquisa do Banco Central Europeu sobre as expectativas de inflação na terça-feira e o sentimento económico na quinta-feira.

Autoridades do BCE agendadas para falar na próxima semana incluem o economista-chefe Philip Lane e os governadores holandês, francês e italiano. O período de blackout começa antes da decisão ser tomada na quinta-feira.

O Banco de Inglaterra já ficou em silêncio, cancelando todos os discursos e declarações públicas dos decisores políticos durante a campanha antes das eleições gerais no Reino Unido, em 4 de julho.

Entre outros bancos centrais europeus, o relatório de estabilidade financeira do Riksbank na quarta-feira e o discurso do presidente do Banco Nacional Suíço, Thomas Jordan, em Seul, estarão entre os destaques.

Várias decisões monetárias estão programadas para serem tomadas em toda a região:

  • Espera-se que o banco central de Israel mantenha as taxas de juro estáveis ​​em 4,5% na segunda-feira, em grande parte para controlar as pressões inflacionárias relacionadas com a guerra e fornecer apoio ao shekel. O governador Amir Yaron está preocupado com a flexibilização da política monetária e com o aumento da diferença entre os custos dos empréstimos em Israel e nos Estados Unidos.

  • A autoridade monetária do Gana deverá manter a sua taxa de juro directora em 29% na segunda-feira para combater a inflação e apoiar a sua moeda em dificuldades.

  • Na quarta-feira, os decisores políticos moçambicanos preparam-se para reduzir os custos dos empréstimos e espera-se que o crescimento dos preços no consumidor permaneça na casa de um dígito durante o resto do ano.

  • Na quinta-feira – um dia depois das eleições em que o Congresso Nacional Africano, no poder, corre o risco de perder a sua maioria – as autoridades monetárias da África do Sul deverão manter a taxa de juro directora em 8,25%, com a inflação ainda por regressar ao ponto médio de 4,5% do intervalo-alvo. .

READ  O Google demite 28 funcionários que participaram de uma manifestação para protestar contra um contrato de US$ 1,2 bilhão com Israel.

América latina

Na próxima semana, o Brasil anunciará a leitura de meio do mês do seu IPC de referência, juntamente com a leitura de maio da medida mais ampla da inflação.

A combinação do mercado de trabalho brasileiro restringido e da moeda mais fraca provavelmente limitará a margem para uma maior desaceleração da inflação em relação aos níveis atuais, com a inflação já próxima das expectativas consensuais de final de ano.

O índice de preços IPCA-15 caiu abaixo de 4% no mês passado, depois de saltar mais de 5% em setembro – o que ocorreu apenas dois meses depois de atingir 3,19%, abaixo da meta do banco central para 2023.

Também no Brasil, o banco central publica na segunda-feira a sua pesquisa semanal com economistas, com as expectativas de inflação e taxas de juros subindo novamente, juntamente com o desemprego nacional, o total de empréstimos pendentes e os saldos orçamentários.

O Chile publica seis indicadores separados para Abril, nomeadamente o desemprego, as vendas a retalho, a produção industrial e a produção de cobre.

O calendário ligeiro do México será dominado pela publicação pelo banco central do seu relatório trimestral de inflação, seguido de uma conferência de imprensa organizada pela Governadora Victoria Rodriguez.

O Banxico elevou no início deste mês a sua previsão de inflação para o terceiro trimestre de 2025, enquanto o relatório de quarta-feira revelará a previsão revista do PIB do banco.

Os dados do mercado de trabalho do México para abril estão programados para serem divulgados na quinta-feira. O consenso inicial prevê que a taxa de desemprego suba desde o mínimo histórico de 2,28% registado em Março.

–Com assistência de Robert Jameson, Piotr Skolimowski, Monique Vanek e Laura Dillon Kane.

(Atualizações com a seção Summit in Asia)

Mais lidos da Bloomberg Businessweek

©2024 Bloomberg L.P.