maio 29, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

A medida de inflação preferida do Fed deverá apoiar a paciência com os cortes nas taxas de juros

A medida de inflação preferida do Fed deverá apoiar a paciência com os cortes nas taxas de juros

(Bloomberg) — Autoridades do Federal Reserve estão prestes a obter mais confirmação de que o progresso contra a inflação estagnou, apoiando o que parece ser uma mudança de tom no sentido de manter as taxas de juros mais altas por mais tempo do que o esperado anteriormente.

Mais lidos da Bloomberg

A medida de inflação preferida pelos decisores políticos – o índice de preços das despesas de consumo pessoal – deverá permanecer elevada em Março, de acordo com dados agendados para divulgação na próxima semana.

Espera-se que este indicador acelere ligeiramente para 2,6% em termos anuais, à medida que os custos de energia aumentam. A medida básica, que exclui energia e alimentos, deverá subir 0,3% em relação ao mês anterior, após ganhos semelhantes em fevereiro.

Embora os dados básicos sobre despesas de consumo pessoal possam não ser tão fortes como o IPC – que superou as estimativas e abalou os mercados no início deste mês – o presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, e outros responsáveis ​​indicaram que demorará mais tempo para ganharem a confiança necessária na economia. . A trajetória descendente da inflação antes dos cortes nas taxas de juros.

Leia mais: Fed zera relógio para cortes e questiona se as taxas estão altas o suficiente

Os legisladores estão programados para observar um tradicional blecaute de falar em público durante a próxima semana, antes da reunião de dois dias que termina em 1º de maio.

Os novos números da inflação de sexta-feira serão acompanhados pelos números de gastos e receitas pessoais de março. Graças ao crescimento saudável do emprego, os economistas esperam outro forte ganho nas despesas das famílias em bens e serviços. Prevê-se também que o crescimento do rendimento acelere.

Outros dados desta semana incluem a estimativa preliminar do governo para o crescimento no primeiro trimestre, que pode ter desacelerado face ao ritmo forte do período anterior, mas ainda está acima do que os decisores políticos consideram sustentável a longo prazo.

Também será divulgada uma medida composta da atividade dos fabricantes e prestadores de serviços, bem como das vendas de casas novas. No final da semana, a Universidade de Michigan publicará a sua leitura final de Abril sobre a confiança do consumidor e as expectativas de inflação.

O que a Bloomberg Economics diz:

“É provável que o PIB real diminua para cerca de 2,7% no primeiro trimestre, após um crescimento médio de 4,2% no segundo semestre de 2023. Este valor ainda está acima do ritmo sustentável de longo prazo de 1,8%, de acordo com as previsões do comité federal.” As reservas abriram o mercado, indicando a continuação das pressões inflacionistas. Olhando para o futuro, a actividade será desafiada por gastos discricionários fracos, à medida que os consumidores se tornam mais sensíveis aos preços num contexto de inflação crescente.

READ  Baleias do Bitcoin alimentam um retorno de preço do Bitcoin à medida que as ações superam os choques da Rússia e da Ucrânia

—Anna Wong, Stuart Ball, Elisa Wenger e Estelle Au, economistas. Para a análise completa, clique aqui

Olhando para norte, um resumo das deliberações do Banco do Canadá lançará mais luz sobre o debate entre os responsáveis ​​sobre o que querem ver antes de cortar as taxas de juro. As vendas no varejo de fevereiro e a estimativa preliminar de março podem confirmar sinais de desaceleração do consumo no início do ano.

Noutros países, a decisão do Banco do Japão será examinada em busca de indícios de futuras subidas das taxas, as autoridades turcas poderão manter os custos dos empréstimos em espera, o índice empresarial Ifo da Alemanha poderá apontar para melhorias e países como a Austrália e o México deverão divulgar números de inflação.

Clique aqui para ver o que aconteceu na semana passada. Abaixo está um resumo do que acontecerá na economia global.

Ásia

O Banco do Japão apresentará as suas últimas previsões de preços, pouco mais de um mês após a primeira subida das taxas de juro desde 2007.

Com a expectativa generalizada de que o Banco do Japão mantenha a política inalterada depois de congelar o seu programa de flexibilização massiva, economistas e investidores irão examinar as perspectivas e a caracterização dos riscos de inflação do Banco do Japão em busca de quaisquer pistas sobre o ritmo dos futuros aumentos das taxas.

A fraqueza contínua do iene adicionará uma camada extra de tensão quando o governador Kazuo Ueda falar numa conferência de imprensa após a decisão de sexta-feira.

A semana começa com a expectativa de que os bancos chineses mantenham as taxas de juros inalteradas.

Os números preliminares das exportações da Coreia do Sul fornecerão uma imagem da força do comércio global. O país dependente do comércio divulgará os números do PIB na quinta-feira, prevendo-se que a economia cresça ao mesmo ritmo dos quatro trimestres anteriores.

O banco central indonésio deverá manter os custos dos empréstimos inalterados em 6%.

Cingapura, Austrália e Malásia divulgam números de inflação durante a semana, com números mensais esperados de Down Under mostrando a primeira aceleração desde setembro.

A Austrália reduzirá as previsões de crescimento para a maioria das principais economias, incluindo o principal parceiro comercial, a China, quando publicar o seu orçamento no próximo mês, disse o tesoureiro Jim Chalmers no domingo.

READ  Ford anuncia protótipo Lincoln Star EV, quatro novos veículos elétricos devem estrear até 2026

Europa, Médio Oriente, África

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, falará na segunda-feira na Universidade de Yale, ao prolongar a sua visita aos Estados Unidos após as reuniões do FMI e do Banco Mundial.

De volta à Europa, vários colegas deverão falar nos próximos dias. Estes incluem os membros da Comissão Executiva do BCE, Isabel Schnabel e Piero Cipollone, e governadores como Joachim Nagel, François Villeroy de Galhau e Fabio Panetta.

As principais divulgações da zona euro incluem a confiança do consumidor na segunda-feira, os resultados preliminares das pesquisas mensais dos gerentes de compras na terça-feira e a pesquisa de expectativas do consumidor do Banco Central Europeu na sexta-feira.

Entre as principais economias, o índice de confiança empresarial Ifo da Alemanha, divulgado na quarta-feira, servirá de destaque, à medida que os decisores políticos observam uma viragem para melhor na maior economia da Europa, após um período de estagnação e deflação.

Terça-feira será um dia agitado no Reino Unido. Os números do PMI serão divulgados juntamente com os números da Zona Euro, com os dados fiscais mais recentes também a serem divulgados nessa altura. O economista-chefe do Banco da Inglaterra, Hugh Bell, e seu colega, Jonathan Haskell, falarão no dia.

O Banco Nacional Suíço realizará sua assembleia geral anual na sexta-feira, um dia após o anúncio dos lucros. O evento atraiu activistas climáticos no passado e, desta vez, poderão ser motivados por uma votação parlamentar que defenda a posição do banco central de não ter em conta os riscos ambientais na sua política monetária.

O banco central da África do Sul publicará na terça-feira a sua revisão semestral da política monetária, fornecendo orientações sobre as expectativas de inflação e taxas de juro.

Várias decisões monetárias estão programadas para serem tomadas em toda a região:

  • Na terça-feira, a Hungria prepara-se para cortes mais lentos na taxa de juro máxima da UE, uma vez que as autoridades enfrentam múltiplos riscos ao tentarem proteger o volátil forint.

  • Dois dias depois, o Banco Central Ucraniano definirá a política após uma desaceleração da inflação.

  • Também na quinta-feira, as autoridades turcas poderão manter a taxa de juro diretora em 50%, após a sua surpreendente subida no mês passado. Alguns analistas não excluem outro aumento se os decisores políticos virem que as expectativas de inflação se deterioram em relação ao pico que observam em cerca de 75% nos próximos meses.

  • Na sexta-feira, o banco central da Rússia deverá manter as taxas de juros em 16%, depois que as autoridades sinalizaram um “período prolongado” de condições monetárias restritivas este ano, em meio à continuação da inflação alta e à deterioração do comércio exterior devido a sanções.

  • No mesmo dia, o Botswana deverá manter os custos dos empréstimos inalterados, com a inflação abaixo do intervalo alvo de 3% a 6%.

READ  A Microsoft diz que as interrupções no início de junho no Outlook, sua plataforma de nuvem, foram ataques cibernéticos

América latina

No México, os dados de inflação do início de Abril deverão reforçar a especulação de que o banco central fará uma pausa na sua reunião de Maio, com os analistas a esperarem que a leitura de meados do mês suba novamente em mais de 4,5%.

A governadora do Banxico, Victoria Rodriguez, disse numa entrevista à Bloomberg neste fim de semana que o recente surto de volatilidade do peso mexicano na sequência das crescentes tensões no Médio Oriente não é uma preocupação para a inflação.

Também são esperados os números do PIB de Fevereiro, que muito provavelmente mostrarão um quinto declínio mês a mês consecutivo, e o relatório do mercado de trabalho de Março.

Na frente da política monetária, espera-se que o banco central do Paraguai reduza os custos dos empréstimos pela nona reunião consecutiva, para 5,75%, antes de fazer uma pausa na sua reunião de maio.

A Argentina anunciou os seus resultados orçamentais mensais para Março, após sucessivos excedentes em Janeiro e Fevereiro, na sequência das chamadas medidas económicas de onda de choque tomadas pelo Presidente Javier Miley. Os analistas esperam que a mesma austeridade tenha impacto nos dados do PIB de Fevereiro, após a leitura profundamente negativa de Janeiro.

No Brasil, uma sondagem do banco central junto de analistas deverá mostrar uma nova erosão nas expectativas de inflação, depois de o governo ter proposto flexibilizar as suas metas orçamentais.

A maior economia da América Latina também apresentará o seu relatório de março sobre a conta corrente, o investimento direto estrangeiro, a arrecadação de impostos e os dados sobre empréstimos bancários, juntamente com o seu relatório de inflação semestral.

O consenso inicial prevê uma leitura abaixo de 4%, dentro de um intervalo de tolerância de 1,5% a 4,5%, mas ainda bem acima da meta de 3%.

–Com assistência de Robert Jameson, Paul Jackson, Piotr Skolimowski, Monique Vanek, Beryl Ackman e Tony Halpin.

(Atualizações com o Tesoureiro Australiano no Departamento da Ásia)

Mais lidos da Bloomberg Businessweek

©2024 Bloomberg L.P.