fevereiro 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

A guerra entre Israel e o Hamas: Dezenas de milhares de palestinos migram para Rafah

A guerra entre Israel e o Hamas: Dezenas de milhares de palestinos migram para Rafah

Rafah (Faixa de Gaza) – Dezenas de milhares de palestinos invadiram uma cidade já lotada no extremo sul da Faixa de Gaza nos últimos dias, fugindo… Bombardeio israelense No meio da Faixa, enquanto um alto funcionário da ONU criticava na sexta-feira Israel por continuar a impor “severas restrições” ao acesso à ajuda.

As críticas renovadas surgiram uma semana depois de o Conselho de Segurança da ONU ter exigido um aumento imediato da ajuda A ajuda humanitária chega às áreas sitiadas.

O ataque aéreo e terrestre sem precedentes lançado por Israel contra o Hamas deslocou cerca de 85% da população de 2,3 milhões de habitantes da Faixa de Gaza, fazendo com que um grande número de pessoas fugissem e procurassem abrigo em áreas seguras designadas por Israel e também bombardeadas pelo exército. Isto deixou os palestinos com a terrível sensação de que não existe lugar seguro no mundo Bolso pequeno.

Philippe Lazzarini, chefe da Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina (UNRWA), disse que quase toda a população depende completamente da ajuda humanitária externa. a Um quarto da população Eles estão morrendo de fome porque poucos caminhões entram com alimentos, remédios, combustível e outros suprimentos – às vezes menos de 100 caminhões por dia, de acordo com relatórios diários da ONU.

Imagens de drones na sexta-feira mostraram um grande acampamento com milhares de tendas e cabanas temporárias erguidas em terrenos baldios na periferia oeste de Rafah, próximo a armazéns da ONU. As pessoas chegavam a Rafah em camiões, carroças e a pé. Já aqueles que não conseguiram vaga nos abrigos já superlotados montaram barracas nas margens das estradas que ficaram cobertas de lama devido às chuvas de inverno.

READ  Pai holandês de mais de 500 bebês em todo o mundo é obrigado a parar de doar esperma em meio a temores de incesto

Com os recém-chegados, a cidade e arredores estão agora lotados com cerca de 850 mil pessoas, mais de três vezes a população normal, segundo dados da ONU.

“Alguns dormem nos seus carros, outros dormem ao ar livre”, disse Juliette Touma, Diretora de Comunicações da UNRWA.

Noutros desenvolvimentos, a África do Sul Um caso foi lançado No Supremo Tribunal das Nações Unidas acusando Israel relativamente ao genocídio contra os palestinianos em Gaza e pede ao tribunal que ordene a Israel que cesse os seus ataques. Este foi o primeiro recurso deste tipo a ser submetido ao tribunal relativamente à guerra actual. Israel rejeitou rapidamente o pedido “com desgosto”.

As relações entre os dois países são ruins. Muitos cidadãos sul-africanos, Incluindo o presidente Cyril RamaphosaCompararam as políticas de Israel em relação aos palestinianos com o antigo regime do apartheid na África do Sul.

A expansão da campanha israelense em Gaza já ocorreu A maioria das regiões do norte foram arrasadasA ofensiva centra-se agora nos campos de refugiados urbanos de Bureij, Nuseirat e Maghazi, no centro de Gaza, onde aviões de guerra e artilharia israelitas destruíram edifícios.

Mas a luta aconteceu E não acalmou no norteA cidade de Khan Yunis, no sul, onde Israel acredita que os líderes do Hamas se escondem, também é um campo de batalha violento. Os militantes continuaram a disparar foguetes, principalmente contra o sul de Israel.

A guerra já matou Mais de 21.500 palestinosA maioria deles são mulheres e crianças, segundo o Ministério da Saúde da Faixa controlada pelo Hamas. O seu número não distingue entre civis e combatentes.

As autoridades israelitas ignoraram os apelos internacionais por um cessar-fogo, dizendo que seria uma vitória para o Hamas, que o exército prometeu desmantelar. Também se comprometeu a devolver mais de 100 reféns que ainda estavam detidos pelos militantes. O ataque de 7 de outubro ao sul de Israel Isso desencadeou a guerra. O ataque matou cerca de 1.200 pessoas, a maioria delas civis.

READ  Um mês após os ataques russos à Ucrânia, governos e manifestantes atacam iates de oligarcas

O exército afirma que 168 de seus soldados foram mortos desde o ataque Ataque terrestre parecer.

Reação de palestinos feridos após um ataque israelense a Al-Zawaida, centro da Faixa de Gaza, quinta-feira, 28 de dezembro de 2023. (AP Photo/Mohammed Asad)

Um fluxo de pessoas deslocadas

As Nações Unidas afirmaram na quinta-feira que cerca de 100 mil pessoas chegaram a Rafah, ao longo da fronteira com o Egito, nos últimos dias. A cidade e a área circundante tinham uma população pré-guerra de cerca de 280.000 habitantes, e a área já acolhia mais de 470.000 pessoas deslocadas das suas casas pela guerra.

Os recém-chegados entram em um cenário de miséria. A maior parte da água disponível está poluída. O sistema de esgoto entrou em colapso e os banheiros que funcionam são raros. As doenças são galopantes entre muitas famílias numerosas amontoadas em abrigos, casas ou na rua – erupções cutâneas, problemas respiratórios, diarreia e outras doenças intestinais.

“Todos aqui estão infectados com a doença”, disse Dalia Abu Samhadana sobre a sua família, que fugiu dos combates em Khan Yunis no início deste mês e agora vive no bairro de Shaboura, em Rafah, numa casa com 49 pessoas. Com pouca comida disponível, sua alimentação diária consiste principalmente de pão e chá.

Israel pediu aos residentes do centro de Gaza que se dirigissem para sul, mas mesmo com o afluxo de pessoas deslocadas, Rafah não foi poupada.

Um ataque na noite de quinta-feira destruiu um prédio residencial, matando pelo menos 23 pessoas, de acordo com a assessoria de imprensa do hospital vizinho do Kuwait.

No hospital, os moradores correram para receber uma criança que estava com o rosto cheio de poeira e chorando enquanto os médicos abriam uma peça da roupa do Mickey Mouse para verificar se havia ferimentos.

Shorouk Abu Aoun estava se abrigando na casa de sua irmã, perto do local do ataque. Ela disse que sua família fugiu do norte para cá depois que o exército israelense disse que o lugar era seguro. Falando do hospital para onde os mortos e feridos foram levados, ela disse: “Gostaria que tivéssemos sido martirizados lá e não tivéssemos vindo para cá”.

Ajuda obstrutiva

Desde o início da guerra, Israel suspendeu a entrada de abastecimentos em Gaza – incluindo alimentos e combustível – excepto uma pequena quantidade de ajuda do Egipto. No início deste mês, Israel também começou a permitir a entrada de caminhões de ajuda humanitária pela passagem de Kerem Shalom. Autoridades israelenses culparam nos últimos dias as Nações Unidas pelos atrasos na entrega da ajuda, sem indicar o motivo.

Lazzarini respondeu na sexta-feira, chamando as críticas de “infundadas” e apontando para as “severas restrições impostas pelas autoridades israelenses ao acesso humanitário”.

Ele acrescentou que os camiões em Rafah e Kerem Shalom enfrentam longos atrasos, apelando a Israel para reduzir os obstáculos burocráticos. Ele acrescentou que, uma vez que a ajuda chega a Gaza, a distribuição da ajuda é dificultada pelos contínuos bombardeamentos, combates, postos de controlo militares israelitas e frequentes interrupções nas comunicações.

Ele instou Israel a abster-se de lançar ataques perto de pontos de passagem e comboios e a abrir rotas seguras para o norte, que recebe ajuda mínima.

No último envio de ajuda para o norte, milhares de palestinianos reuniram-se em frente a um centro de distribuição na Cidade de Gaza à medida que chegavam camiões de ajuda. Imagens do local mostraram pessoas pulando em caminhões e agarrando-se às laterais, e algumas delas jogaram pacotes e caixas de comida para outras pessoas no chão.

Thomas White, chefe da UNRWA em Gaza, disse numa publicação no site X que soldados israelitas abriram fogo contra o comboio de ajuda quando este regressava do norte através de uma estrada designada para o exército, danificando um dos veículos.

Ataques no centro de Gaza

Moradores disseram na sexta-feira que muitas casas foram atingidas durante a noite em Al-Nuseirat e Al-Maghazi, e que ocorreram combates ferozes em Al-Bureij. O Hospital dos Mártires Al-Aqsa, em Deir al-Balah, disse ter recebido os corpos de 40 pessoas, incluindo 28 mulheres, mortas nos ataques.

“Eles estão em greve por toda parte”, disse Saeed Mustafa, morador de Nuseirat. “Famílias estão sendo mortas em suas casas e nas ruas. Estão sendo mortas em todos os lugares.”

Israel atribui o elevado número de mortos ao Hamas, que acusa de espalhar combatentes e armas entre a população civil, incluindo edifícios residenciais, escolas e mesquitas.

Em uma rara admissão de irregularidades, Israel admitiu que erros foram cometidos em uma operação no domingo, que os registros do hospital indicaram que pelo menos 106 pessoas foram mortas no ataque. Acampamento Al-MaghaziUm dos ataques mais sangrentos da guerra.

Numa revisão preliminar, os militares israelitas afirmaram que edifícios perto do alvo também foram atingidos e que isso “provavelmente causou danos não intencionais a civis adicionais não envolvidos”.

O exército disse num comunicado que lamenta os danos causados ​​aos civis e que aprenderá com os erros.

O porta-voz do governo, Elon Levy, disse à Sky News britânica que a munição errada foi usada no ataque, levando a um “erro infeliz”.

___

Magdy reportou do Cairo e Jeffrey de Londres. A redatora da Associated Press, Tia Goldenberg, contribuiu para este relatório de Tel Aviv, Israel.

___

Encontre mais cobertura AP em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war.