abril 13, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

A guerra entre Israel e Gaza: um desacordo entre Netanyahu e Biden sobre o apoio ao conflito

A guerra entre Israel e Gaza: um desacordo entre Netanyahu e Biden sobre o apoio ao conflito
  • Escrito por Bernd Debusmann Jr.
  • BBC Notícias, Washington

Comente a foto,

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, citou uma pesquisa de opinião que mostrou altos níveis de apoio a Israel nos Estados Unidos

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse na terça-feira que o apoio popular a Israel nos Estados Unidos o ajudará a lutar “até a vitória completa” sobre o Hamas.

Num comunicado, Netanyahu referiu-se a sondagens de opinião que mostram que mais de 80% dos americanos apoiaram Israel durante o conflito em Gaza.

Suas declarações foram feitas depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, alertou que Israel corria o risco de perder o apoio global na guerra.

Autoridades dos EUA dizem que estão trabalhando em um possível acordo de cessar-fogo.

Netanyahu disse na sua declaração na terça-feira que, desde o início do conflito, tem liderado uma campanha “para enfrentar a pressão internacional para acabar com a guerra mais cedo e mobilizar o apoio a Israel”.

“Alcançamos grandes sucessos nesta área”, acrescentou Netanyahu, citando uma recente sondagem Harvard-Harris que mostrou que 82% do público americano apoia Israel. “Isso nos dá mais força para continuar a campanha até a vitória completa.”

Biden disse na segunda-feira que os Estados Unidos esperam alcançar um cessar-fogo entre Israel e o Hamas em Gaza “até a próxima segunda-feira”.

O Presidente dos EUA também observou mais tarde que Israel pode “perder o apoio de todo o mundo” se “continuar com este governo incrivelmente conservador”.

Outra sondagem realizada pela Associated Press e pela Fundação NORC mostrou que cerca de metade dos adultos americanos em Janeiro acreditavam que Israel tinha “ultrapassado os limites” – em comparação com 40% em Novembro.

Funcionários da Casa Branca e do Departamento de Estado confirmaram na terça-feira que as negociações sobre um cessar-fogo temporário continuavam, mas se recusaram a fornecer detalhes sobre o conteúdo das negociações ou possíveis prazos.

John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse que foram feitos “progressos significativos” para chegar a um acordo na semana passada para permitir a saída de reféns de Gaza e a entrada de ajuda humanitária.

“Esta semana estamos a desenvolver esse progresso e o Presidente e a sua equipa continuam envolvidos 24 horas por dia com vários parceiros na região”, acrescentou Kirby.

“Mas, como o presidente disse nas últimas 24 horas, ainda não há acordo. Há muito trabalho a ser feito.”

Kirby disse que o cessar-fogo “esperançosamente” permitiria uma trégua de seis semanas, um período muito mais longo do que as pausas anteriores nos combates.

“Talvez isto leve a algo mais em termos de uma melhor abordagem para acabar com o conflito”, disse ele.

No Departamento de Estado, o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, disse que os diplomatas dos EUA – que trabalham com o Qatar, o Egipto e Israel – estão “a tentar levar este acordo até à linha de chegada”, mas “em última análise, precisaremos que o Hamas diga sim”.

Um responsável do Hamas já tinha dito à BBC News que as prioridades do movimento eram acabar com as hostilidades e não libertar os reféns.

Israel lançou um ataque aéreo e terrestre em grande escala contra Gaza depois que militantes do Hamas mataram cerca de 1.200 pessoas no sul de Israel e fizeram 253 reféns, alguns dos quais já foram libertados.

O Ministério da Saúde administrado pelo Hamas na Faixa de Gaza afirma que pelo menos 29.878 pessoas foram mortas na Faixa desde então – incluindo 96 mortes nas últimas 24 horas – com 70.215 feridos.

READ  O bullying de Putin sai pela culatra quando a Finlândia e a Suécia se aproximam da adesão à OTAN