fevereiro 29, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

A guerra entre Israel e Gaza: Os Estados Unidos não apoiarão o ataque não planejado a Rafah

A guerra entre Israel e Gaza: Os Estados Unidos não apoiarão o ataque não planejado a Rafah
  • Por Tom Bateman, correspondente do Departamento de Estado e Katherine Armstrong
  • BBC Notícias

Comente a foto,

Rafah acolhe agora até 1,5 milhões de pessoas, mais de metade da população de Gaza

Os Estados Unidos alertaram Israel que lançar um ataque militar à cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, sem um planeamento adequado seria um “desastre”.

A Casa Branca disse que não apoiaria planos para quaisquer operações importantes em Rafah sem dar a devida consideração aos refugiados ali.

Estas declarações surgem um dia depois de o líder israelita ter anunciado que o exército foi informado dos preparativos para a operação em Rafah.

Centenas de milhares de palestinos fugiram para lá para escapar dos combates.

“Os militares israelenses têm uma obrigação especial, ao conduzir operações lá ou em outros lugares, de garantir que levem em consideração a proteção das vidas de civis inocentes”, disse John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, na quinta-feira.

“As operações militares agora seriam um desastre para estas pessoas e isso não é algo que apoiamos.”

Kirby acrescentou que os Estados Unidos não viram nada que indicasse que Israel lançaria iminentemente uma grande operação em Rafah.

O porta-voz adjunto do Departamento de Estado, Vedant Patel, repetiu os comentários do Sr. Kirby, dizendo: “Nós [the US] Ele acrescentou: “Não apoiaremos algo assim sem um planejamento sério e confiável em relação aos mais de um milhão de pessoas que ali se refugiaram, bem como sem considerar as suas implicações para a ajuda humanitária e a partida segura de cidadãos estrangeiros”. Repórteres.

Em resposta a uma pergunta da BBC sobre para onde deveriam ir os refugiados em Rafah no caso de tal operação, Patel disse que estas são “questões legítimas que acreditamos que os israelitas devem responder”.

“Não nos cabe ser prescritivos sobre estas questões, mas o que você levanta é exatamente por que é importante garantir que estes processos sejam plenamente considerados, especialmente numa região onde mais de um milhão de pessoas estão abrigadas.”

É raro que os Estados Unidos, o principal aliado e apoiante militar de Israel, falem sobre quaisquer fases futuras da ofensiva militar de Israel em Gaza – mas este foi um aviso claro.

Washington envia cerca de 3,8 mil milhões de dólares (3 mil milhões de libras) em ajuda militar a Israel todos os anos, tornando o país o maior beneficiário deste tipo de financiamento no mundo.

Cerca de 1.300 pessoas foram mortas durante os ataques do Hamas ao sul de Israel em 7 de outubro do ano passado, segundo autoridades israelenses.

Mais de 27.800 palestinos foram mortos e pelo menos 67 mil outros ficaram feridos na guerra que Israel lançou em resposta, de acordo com o Ministério da Saúde administrado pelo Hamas.

Até agora, nenhuma parte de Gaza foi poupada ao ataque israelita, mas Rafah, localizada na fronteira com o Egipto, acolhe actualmente 1,5 milhões de pessoas – mais de metade da população de Gaza – que vivem em condições humanitárias terríveis.

“Eles estão vivendo em abrigos temporários superlotados, em condições insalubres, sem água encanada, eletricidade e alimentos adequados”, foi a avaliação severa da situação divulgada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, na quinta-feira.

“Fomos claros na nossa condenação das ações horríveis levadas a cabo pelo Hamas. Também fomos claros na nossa condenação das violações do direito humanitário internacional em Gaza.”

READ  Biden na Polônia para reuniões sobre a crise dos refugiados na Ucrânia - política dos EUA ao vivo | notícias dos EUA