Sylvio Roberto Accioly Canuto, do Instituto de Física, teve seu nome indicado por membros do conselho da instituição

O professor Sylvio Canuto, do Instituto de Física (IF), foi indicado para a Academia Mundial de Ciências (TWAS, sigla em inglês). Somente os membros do conselho da TWAS podem nomear candidatos e cada postulante deve ser indicado por dois membros. Os candidatos são avaliados por comitês consultivos de membros (um para cada seção) e depois submetidos ao conselho, que tem a incumbência de elaborar uma lista final de candidatos à eleição.

São eleitos os candidatos que recebem o voto favorável pela maioria dos membros presentes durante a Assembleia Geral. Em média, até 50 novos membros são eleitos e a adesão é para a vida toda. 

Segundo os critérios da instituição, a adesão de novos membros e a consequente constituição da academia se dará apenas de sócios-eleitos escolhidos por sua excelência científica, que alcançaram os mais altos padrões internacionais e contribuíram significativamente para o avanço da ciência.

Os candidatos à eleição como membros da Academia Mundial de Ciências podem trabalhar e viver em qualquer parte do mundo. Caso sejam de países desenvolvidos, têm que ajudar a promover a ciência nos países em desenvolvimento. Outros critérios para nomeação são idade (menos de 70 anos) e ser membro de uma academia de ciências em seu país de origem.

Canuto é membro titular da Academia de Ciências do Estado de São Paulo, da Academia Brasileira de Ciências e coordenador da área de Astronomia e Física junto à Capes, além de representante do CTC-ES no conselho superior na mesma agência. É autor ou coautor de mais de 260 artigos publicados em periódicos científicos nacionais e internacionais, com mais de 3.860 citações, e Fator H=32.

O número médio de citações de seus artigos é atualmente 14,5. Sua especialidade em pesquisa está em Teoria de Muitos Corpos, Simulação Computacional e Modelagem Molecular, com ênfase no estudo de efeitos de solvente em espectroscopia e reatividade de líquidos moleculares.

Bacharel e mestre em Física pela Universidade de Brasília, o professor fez o doutorado em Química Quântica (1979) pela Universidade de Uppsala (Suécia). Em 1989, concluiu o pós-doutoramento na Universidade da Flórida, nos Estados Unidos. Foi professor titular do Departamento de Física da UFPE, no período de 1989 a 1994. Atualmente, é professor titular do Departamento de Física Geral do Instituto de Física (IF) da USP. Foi professor visitante em mais de 20 diferentes instituições internacionais.

Fonte: www.jornal.usp.br