“Olha, não quero te desanimar, mas esses conselhos geralmente não dão em nada”, me confessou um colega da cidade. “Mas você não recebe nada como conselheiro? Só dor de cabeça?”, brincou outro. E mesmo assim, com o ceticismo de muitos e descrédito de alguns, o Conselho Municipal de Políticas Culturais de Atibaia ganhou um novo sopro de vida no último dia primeiro de outubro.

Imagem: Reprodução

De fato, por mais incômodas que soem estas frases e brincadeiras, há de se refletir sobre nossos novos desafios e as verdades desagradáveis que escondem. O que este novo conselho precisa superar para, de fato, cumprir seu papel de ajudar a descentralizar, fortalecer e fomentar a cultura em nossa cidade? Que ações devem ser tomadas para vencer esse ceticismo? O caminho ainda é longo, e esses são apenas os primeiros passos. Mas, se tem algo que acredito, é que as longas caminhadas hão sempre de começar dessa mesma maneira, e são estas também as mais recompensadoras.

Em sua primeira reunião, ocorrida no Centro de Convenções Victor Brecheret e presidida pela Secretária de Cultura Roberta Barsotti, foi eleita a diretoria do conselho, formada por Adílson Cunha como presidente, Flávio Rodrigues como vice e Cidinha Godói como secretária executiva. Além disso, como pauta do dia, houve a aprovação do regimento interno e a definição das próximas reuniões, que acontecerão sempre nas segundas terças-feiras do mês, às 19 horas, no mesmo local.

Imagem: Reprodução

“Você ainda vai nesses encontros? Você é teimoso”. Não há definição melhor. Teimosos e incorrigíveis que acreditam que é possível mudar, que é possível ter uma cidade que valoriza seus artistas e que dá a eles a possibilidade de viver de seu trabalho. Teimosos que saíram e sairão de suas casas após um cansativo dia de trabalho para discutir a cultura na cidade porque ainda acreditam que hão de encontrar muitos novos teimosos para se juntarem a essa causa, sempre crentes que este é o momento. Se não for, a gente vai continuar tentando.

Vida longa ao COMPOCAT, que não à toa nasceu no mês das crianças e preserva essa pureza infantil daqueles que querem acreditar. Que esta ferramenta de participação popular não se perca com o passar dos dias, e que resistamos e tornemos a desconfiança em novas vozes pela cultura de nossa cidade. Vamos ser teimosos juntos?

Texto de: Flávio Rodrigues, Músico e vice-presidente do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Atibaia

Deixe uma resposta