O Museu João Batista Conti, prédio histórico tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico e Artístico de São Paulo (Condephat), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Conselho Municipal de Cultura, passará por reforma e adequações estruturais.

A iniciativa faz parte de uma contrapartida do Instituto Tecnológico da Construção Civil (ITEC), que recebeu outorga da Prefeitura (Lei nº 4.251, de 25 de agosto de 2014) para se instalar em uma área localizada no Jardim Imperial, na região conhecida como”Taboão” – na Avenida Industrial Walter Kloth. A última reforma no local foi realizada em 1986, ou seja, há mais de 30 anos.

Na segunda-feira (dia 13), a secretária de Cultura e Eventos, Viviane Cocco, a gerente de gerente de Folclore e Cultura Popular, Lilian Vogel, e representantes da ITEC – diretora técnica Michele Glace da Silva e Gerente Geral da AFEAL- Associação Nacional dos Fabricantes de Esquadrias de Alumínio, Fernando Rosa – estiveram reunidos no museu para discutir os orçamentos e as etapas da obra, cujos projetos de engenharia já foram aprovados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e Condephat.

O projeto de restauro é da arquiteta Juliana Binotti, especialista em patrimônio histórico. Está prevista implantação de acessibilidade a pessoas portadoras de deficiência (construção de elevador, sanitários adaptados e sinalização tátil) e de sala de reserva técnica (um espaço climatizado e fechado, destinado a peças que não estão em exposição).

De acordo com a Secretaria de Cultura e Eventos, esta é a primeira etapa da reforma do museu, centrada principalmente na questão da acessibilidade.

O prédio onde hoje funciona o Museu João Batista Conti é de 1836.

Houve reformas em  1855, 1870, 1888, 1957 e 1986. Ainda não há previsão para início das obras, cujo cronograma deverá ser divulgado em breve pela Prefeitura.

Fonte: Prefeitura da Estância de Atibaia