Se hoje ele anda devagar porque já teve pressa, Almir Sater mostra que pode-se chegar longe com a calma e simpatia do Mato Grosso do Sul que tomou o Itatiba Esporte Clube no último domingo, dia 12.

Cantando e tocando sucessos de sua carreira e os clássicos instantâneos de sua recente parceria com Renato Teixeira, que culminaram no lançamento de dois álbuns – Ar e +Ar – Almir Sater encantou uma plateia lotada de famílias com sua boa música e o jeito cativante em pleno dia dos pais – para a sorte daqueles que receberam os ingressos como presente!


Um deles foi o despachante Antônio (37) que, ao lado da esposa Jussara (35), estiveram pela primeira vez no show do cantor e levaram o filho Gustavo (12), violonista de primeira viagem, para ver de perto os acordes que o inspiram a aprender o instrumento. “Tocando em Frente”, música que o garoto aprendia no violão, era esperada com ansiedade pela família e por todos os presentes. Espera essa que foi devidamente atendida, ao lado de outras pérolas do compositor como Chalana, Trem do Pantanal e o tema de Ana Raio e Zé Trovão.


Mas não é só quem está começando que se encantou com o cantor e compositor. A dupla sertaneja Adalto e Adalberto, naturais de Itatiba, também tratou de ver de perto e reverenciar o melhor da música do interior do nosso Brasil além, é claro, de tietar o ídolo de longa data.

“Acompanhamos o Almir desde a época da novela Pantanal. A gente cresceu ouvindo, é uma referência pra gente. Nós viemos hoje reviver ao lado do nosso pai esses sucessos e o show foi inesquecível”, nos conta a dupla.


Após o show, pudemos conversar um pouco com Almir e perguntamos a ele sobre o processo de composição dos álbuns Ar e +Ar, ao lado do amigo e parceiro de longa data Renato Teixeira: “Geralmente eu faço as músicas e o Renatão faz as letras. Ele dá palpite nas músicas e eu dou palpite nas letras. Eu que vou cantar e eu quero cantar coisas que eu gosto”, nos conta, bem-humorado. “O Renato é muito gentil, muito bom de trabalhar. E o resultado foi tão bom, tão leve, saiu tão fácil, que logo fizemos o segundo disco”.

Flávio Rodrigues entrevista Almir Sater

Apesar de toda essa sintonia, Almir garante que os dois não devem repetir a dose por algum tempo: “O Renato queria fazer o terceiro já, aí eu falei: “não, chega, se não a gente vai virar dupla” nos diz rindo o cantor.

Se você perdeu a oportunidade de testemunhar as belíssimas canções dessa parceria e os clássicos de Almir, não precisa se desesperar ou pegar o trem pro pantanal para ouvir o cantor.

A Revista Atibaia Connection recebeu a informação, em primeira mão, que o cantor volta para a região em setembro para um espetáculo em Bragança Paulista. Fiquem ligados aqui para mais informações!

Embarcar sem pressa nessa chalana e se deixar levar pelas batidas leves como ar de Almir Sater é, sem dúvidas, uma experiência encantadora. Sorte a nossa de termos essa riqueza nascida nas entranhas de nosso Brasil para nos deleitarmos e apreciarmos sem moderação.

Por: Flávio Rodrigues, músico e colunista

Deixe uma resposta