No século XV, Johannes Gutenberg inventou a prensa móvel, algo de extrema importância para a literatura. Desde então, diversas obras de ficção vêm nascendo a todo instante. As histórias boêmias se popularizaram de uma forma tão intensa que tornaram-se atemporais, conquistando corações e atenções em todo o mundo.

No dia 23 de abril é comemorado o Dia Mundial do Livro e Dos Direitos de Autor. Confira quais são os livros com maior número de exemplares vendidos em toda a história:

Dom Quixote de La Mancha, Miguel de Cervantes

Originalmente composto por dois volumes, publicados em 1605 e 1610, Dom Quixote de La Mancha não só revolucionou a literatura de cavalaria em voga nos séculos XVI e XVII, como também se tornou um dos livros mais vendidos de sempre. Estima-se que a história do Cavaleiro da Triste Figura e do seu escudeiro Sancho Pança, traduzida para mais de 140 idiomas, tenha vendido entre 500 e 600 milhões de exemplares em todo o mundo.

Primeira edição de ‘Dom Quixote’, em espanhol

O Conde de Monte Cristo, Alexandre Dumas

O Conde de Monte Cristo foi inicialmente publicado como folhetim de 1844 a 1846. O livro narra a história do jovem capitão da marinha mercante Edmond Dantès, que depois de condenado injustamente à prisão, consegue escapar e empreende um plano de vingança implacável. A obra foi aplaudida pela crítica e teve cerca de 200 milhões de exemplares vendidos até hoje, e continua conquistando o público leitor.

O livro “O Conde de Monte Cristo”

Um Conto de Duas Cidades, Charles Dickens

Um Conto de Duas Cidades, do romancista britânico Charles Dickens, foi publicado pela primeira vez em 1859. Considerado uma pintura viva da Revolução Francesa, seu enredo é repleto de personagens de todas as classes sociais, e retrata o período entre 1775 e 1793, constituindo um retrato daquela época em Londres e em Paris. O número de exemplares vendidos é de cerca de 200 milhões.

“Um Conto de Duas Cidades”, obra de Dickens

O Pequeno Príncipe, Antoine de Saint-Exupéry

A fábula sobre o amor e a solidão de Antoine de Saint-Exupéry continua a deliciar crianças e adultos desde a sua publicação, em 1943. Com mais de 140 milhões de exemplares vendidos, O Pequeno Príncipe, ou O Principezinho, conta a história de um piloto que se despenha no deserto e conhece um jovem príncipe que o leva numa viagem de descoberta interplanetária. Escrito originalmente em francês, foi traduzido para 300 idiomas, tornando-se um dos livros mais traduzidos de sempre.

Obra “O Pequeno Príncipe”

Harry Potter e a Pedra Filosofal, J.K. Rowling

A aclamada saga sobre o feiticeiro de Hogwarts criada por J.K. Rowling foi considerada o fenômeno editorial de 1997, data em que a obra Harry Potter e a Pedra Filosofal foi publicada. Assim que lançado, o primeiro volume foi um sucesso quase instantâneo e soma cerca de 110 milhões de exemplares vendidos até ao momento.

“Harry Potter e a Pedra Filosofal”: Sucesso em todo o mundo

O Hobbit, J.R.R. Tolkien

O emblemático Bilbo Baggins, o protagonista de O Hobbit, de J.R.R. Tolkien, já ultrapassou os 80 anos de vida nas páginas do livro, mas continua a ser um dos preferidos dos leitores. A primeira edição, em setembro de 1937, contava com 1500 exemplares, que acabariam por esgotar no período de três meses. Atualmente, a história das aventuras de um grupo de anões supera os 100 milhões de exemplares vendidos desde que a obra foi lançada.

Livro “O Hobbit”, de J.R.R. Tolkien

O Código da Vinci, Dan Brown

Quem não conhece o conceituado professor de simbologia da Universidade de Harvard, Robert Langdon? O protagonista dos livros de Dan Brown foi apresentado ao mundo no ano de 2003, com a publicação de O Código da Vinciatingiu 80 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo em apenas 15 anos.

A aclamada obra “O Código da Vinci”

Com informações de: www.espalhafactos.com.br

 

Deixe uma resposta