Na década de 80, os gadgets tecnológicos eram algo raríssimo no Brasil. Os celulares e câmeras digitais estavam longe de existir, e o mais hi-tech que um cidadão comum podia acessar era uma agenda eletrônica da Casio, com “incríveis” 64 kb de memória, o que possibilitava que centenas de números de telefone fossem guardados, algo revolucionário para a época.

(Rua Nova Barão/Divulgação)

Fãs de tecnologia dos anos 80 certamente lembram-se da Casa Dragão, uma loja que localizava-se na Rua Nova Barão, no centro de São Paulo, que era autorizada da Casio e por isso tinha dezenas de produtos eletrônicos comuns em outros países, porém raríssimos no nosso país, em sua vitrine.

Casio SF-5300, um dos modelos de agenda mais sofisticados da época. (Reprodução/Veja SP)

A loja tinha toda a linha dos relógios digitais da Casio mais cobiçados na época, inclusive os primeiros game-watch que fizeram tanto sucesso nos anos 80. A Casa Dragão também tinha uma enorme variedade de agendas eletrônicas, a coisa mais próxima de um computador de mão que havia naquela década, e objetos de desejo do mais alto executivo ao simples trabalhador assalariado.

Gamewatches da Casio (Reprodução/Veja SP)

O público também encontrava uma infinidade de modelos de teclados da Casio, alguns considerados brinquedos e outros bem mais sofisticados, para profissionais. Um dos mais cobiçados daquela época era o SK-1, mini teclado com sampler, que permitia que qualquer coisa fosse gravada com microfone para depois ser tocada no teclado, além de possuir um gerador de ritmos e sons de vários instrumentos.

SK-1 da Casio, um sampler de verdade como brinquedo (Casio/Divulgação)

Ícone dos equipamentos tecnológicos nos anos 80, a Casa Dragão deixou saudades, e hoje é considerado um templo da tecnologia da cidade de São Paulo.

A vitrine da Casa Dragão, em anúncio de jornal da época. (Reprodução/Veja SP)

Com informações e fotos de: www.vejasp.abril.com.br/blog/memoria/casa-dragao-o-templo-da-tecnologia-dos-anos-80/

Deixe uma resposta