Edital da Incubadora de Artistas de fomento à arte de rua selecionará 10 projetos que receberão R$ 1,5 mil cada

Modificar a forma como as pessoas enxergam os espaços públicos. Levar até elas um momento de inspiração e reflexão, quando estão a caminho do trabalho, do supermercado, rodoviária ou escola. Valorizar o trabalho do artista fora dos ambientes convencionais. Essas são algumas propostas do Ocupa Atibaia, edital da incubadora de Artistas de fomento à arte de rua, que já está em sua quinta edição.

Ao longo dos últimos anos, foram 46 projetos finalizados de grafite, música, dança, teatro, circo, pintura, fotografia, instalação urbana, literatura, performance, audiovisual e outros. O edital, que é aberto a participantes de todo o Brasil, oferece suporte de R$ 1.500,00 por projeto selecionado. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas exclusivamente pelo site http://www.incubadoradeartistas.com.br/editais/ocupa_2018.asp , até o dia 4 de março de 2018.

Habitualmente encontrada em grandes cidades, a arte de rua vem se tornando mais comum a quem mora em Atibaia, já que todos os trabalhos selecionados são obrigatoriamente executados na cidade.

Veja quais foram os trabalhos contemplados pelo 4º Ocupa Atibaia (2017):

Fernando Pimentel (Tosko) – Simbiose Urbana: Grafite / Mural

A primeira das 12 intervenções urbanas promovidas pelo Ocupa Atibaia em 2017 ocorreu nos dias 15 e 16 de julho, na Avenida dos Bandeirantes, esquina do Boulevard Takao Ono.

O artista de limeira, Fernando Pimentel, mais conhecido como Tosko, pintou um belo mural, que recebeu o nome de “Simbiose Urbana”. Segundo Tosko, sua obra foi inspirada na cultura do município. “Quando fui selecionado para o edital, pensei em trabalhar alguma coisa que tivesse a temática da cidade. Então busquei algumas informações pela internet a respeito de Atibaia. Chegando aqui, percebi que existe uma grande comunidade nipônica, então resolvi trabalhar com essa temática que é muito forte na cidade. Trabalhei com o tsuru (ave sagrada do Japão), a cerejeira e o peixe beta”.

Elton Hipolito – Lacunas da Memória: Intervenção Urbana / Mural

Nos dias 29 e 30 de julho, foi a vez do artista Elton Hipolito pintar dois murais na cidade. As obras, que homenageiam moradores de Atibaia, estão no Boulevard Takao Ono e no bairro Caetetuba. Os trabalhos fazem parte de um projeto do artista intitulado “Lacunas da Memória”, que retrata personalidades do povo através da utilização de tinta feita de terra local. Elton Hipolito contou que sua intenção é resgatar histórias das cidades, valorizando pessoas consideradas comuns, e seu local de origem ou permanência. “Eu busco rememorar, trazer à tona pessoas da cidade”.

A personagem pintada no Boulevard Takao Ono foi Maria José Leite. A obra é inspirada em uma foto do livro “Anônimos Revelados”, do fotógrafo Vitor Carvalho. Já o homenageado no Caetetuba foi o “Negão”, famosa figura do bairro, dono de um bar que recebe seu nome, muito estimado por moradores da comunidade.

Will Art – Wilians Santos de Souza – Art Street : Grafite / Mural

Nos dias 9 e 10 de setembro, o artista da cidade, Will Art, coloriu parte de um muro localizado em um dos principais pontos turísticos de Atibaia, o Pouso de Asa Delta.

O artista afirmou que o trabalho é uma homenagem aos povos indígenas que, atualmente, vêm sofrendo com a desapropriação de terras por conta da falta de valorização de sua cultura e ganância dos governantes brasileiros. “O que eu quis trazer para esse projeto é a valorização do povo indígena. A proposta é mostrar um pouco da cultura do nosso país que, queiram ou não, é terra indígena. É uma cultura muito rica para a nossa nação. Os políticos precisam ter mais respeito pelas pessoas e pelas tribos. Precisam valorizá-las e mantê-las em seus locais de origem, sem interesses financeiros que levam à extinção dos índios”, disse Will.

Bia Ferrer – Fabiana Ferreira – Histórias Perdidas: Fotografia / Lambe-lambe

Pequenas histórias ilustradas fazem parte de uma das ocupações de arte promovidas pelo 4º Ocupa Atibaia. Quem percorre as ruas da cidade pode ficar curioso com algumas fotografias acompanhadas de frases curtas, coladas em diversos muros e postes. A arte faz parte do projeto “Histórias Perdidas”, da artista Bia Ferrer. Ela esteve em Atibaia no dia 16 de setembro, espalhando seus fragmentos de histórias por locais estratégicos.

Bia diz que gosta de brincar com o imaginário de quem vê suas obras. Cada pessoa que enxerga um desses fragmentos se pergunta qual seria o contexto maior daquele pequeno conto. “‘Histórias Perdidas’ são imagens que traduzem sentimentos compartilhados pela maioria das pessoas e, por isso, as tocam”, contou a artista.

Cia da Sorte – Rafael Barroso – Espetáculo Segura, Mamãe!: Circo / Teatro de Rua

Os artistas Rafael Trevo e Lelê Marins, da Cia da Sorte, vieram de Brasília para Atibaia, a bordo de seu Fusca 64, para apresentar o espetáculo “Segura, Mamãe!”. A peça foi encenada na Praça da Matriz e lotou o espaço.

A dupla, que arrancou boas risadas da plateia, interpretando o palhaço Trevolino e Dona Lelê, trouxe a proposta de valorizar a arte de rua e os espetáculos independentes. A apresentação interativa mesclou palhaçadas às técnicas de equilibrismo, malabarismo e mágica, sempre com a participação da plateia. Ao final, uma fila de pessoas aguardava para tirar fotos ao lado do casal de atores, que atendeu com muita simpatia a todos os pedidos.

Dogh – Leonardo Godoy dos Santos – Graffiti: Grafite / Mural

No dia 6 de outubro, o artista de Itatiba, Leonardo Godoy dos Santos, mais conhecido como Dogh, deixou sua arte na esquina da Avenida dos Bandeirantes com o Boulevard Takao Ono. Segundo ele, o mural foi inspirado em uma personagem que pretende transmitir a ideia que a beleza feminina pode ser encontrada além dos padrões pré-estabelecidos socialmente.

Habituado ao spray, ele contou que busca atualmente novas técnicas para desenvolver sua arte. “Venho trabalhando muitos anos com o spray, o que se tornou uma coisa cômoda. Como tenho estudado pintura clássica, paletas diversas, esse trabalho é diferente do que vinha fazendo. Com uma paleta mais reduzida, cores menos saturadas, uma coisa mais sóbria”, afirmou.

Robolito – Adriano Ferreira Bohra – Odisseia: Grafite / Mural

Virando a esquina da Avenida dos Bandeirantes, quem passa pelo Boulevard Takao Ono se depara com a imagem de um robô todo colorido que, em seus mais de 15 metros de altura, contraria a ideia impessoal que as máquinas costumam transmitir. A obra feita pelo artista Robolito, o Adriano Bohra, aborda de forma irreverente a problemática dos meios de transporte e a forma como eles interferem, direta e indiretamente, no meio ambiente e na paisagem urbana.

Segundo o artista, a inspiração para os seus personagens “Robolitos” remete aos tempos de infância, época em que confeccionava seus próprios brinquedos com madeira, caixas de papelão, latas e embalagens vazias. A presença das cores fortes é proposital, pois ele compreende que as pessoas se relacionam com as cores desde crianças, desenvolvendo possibilidades e emoções a partir delas. “Minha inspiração vem de criança, criar personagens, robôs japoneses, como Jaspion, Changeman. Eu queria um daqueles e comecei a criar robôs de madeira para mim. Tenho até minha própria roupa (de robô)”, contou.

Garu – Fernando Silveira Garroux – Garuart: Grafite / Mural

Fernando Garroux , conhecido como Garu, atua no grafite há 15 anos. Seu trabalho é influenciado pela fluidez das letras wildstyle e sua inspiração está nas cores e formas da natureza selvagem. As obras do artista contam com uma gama alta de cores e formatos únicos, misturando técnica e criatividade com a cultura hip hop.

O mural pintado em Atibaia, nos dias 14 e 15 de outubro, retrata uma Garça Real. “Minha inspiração é bem da rua mesmo, e minha influência é a natureza selvagem, plantas, animais, e eu tenho um carinho maior por aves. A maioria das minhas pinturas têm aves”, explicou.

Ignoto – Crisitiano Alves de Lima – Azulão: Grafite / Mural

Cristiano Alves de Lima, conhecido como Ignoto, é morador do Jardim Romano, zona leste de São Paulo, e criador do personagem “Azulão”, que está estampado em vários muros do Itaim Paulista. Seu estilo é o Freehand, trabalho feito à mão livre, onde o artista não se prende a moldes.

Para conferir os detalhes da obra de Ignoto em Atibaia e tentar decifrar seus símbolos e significados, é só dar uma passada pelo Boulevard Takao Ono. O trabalho foi pintado entre os dias 19 e 20 de outubro.

Edu Brisa – Cia Teatro da Investigação – A Casa de Farinha do Gonzagão: Teatro / Baile

Na noite de 28 de outubro, Atibaia recebeu a 3ª edição do Festival do Saci-Pererê, evento da Incubadora de Artistas que tem a proposta de resgatar o folclore nacional. Na ocasião, o público pôde conferir diversas atrações culturais e, entre elas, o espetáculo “A Casa de Farinha do Gonzagão”. A apresentação da Cia Teatro da Investigação mescla teatro, música, baile e culinária.

Os artistas interpretaram os sucessos do Rei do Baião, envolvendo os presentes na música, ao mesmo tempo em que contavam a história de homens e mulheres dentro de uma cozinha do sertão. Embalado pelo som de Luiz Gonzaga, o público acabou por fazer parte da história, dançando e até compartilhando a comida com os personagens.

Leandro Dário – Somos Todos Caveira: Intervenção Urbana / Crochê / Yarn Bombing

Nos dias 4 e 5 de novembro, a Praça da Matriz e o Boulevard Takao Ono receberam diversas caveirinhas feitas de crochê, espalhadas por árvores, muros, postes e grades. Elas fazem parte do projeto “Somos Todos Caveira”, de Leandro Dário.

“O projeto (Somos Todos Caveira) consiste em pequenos manifestos em crochê e maxi bordados em ponto-cruz (street stitch), pela igualdade e por uma convivência pacífica e harmoniosa. Para fazer o link entre a memória do registro e a igualdade entre os seres humanos, escolhi a caveira como símbolo, já que seu significado é universal e multicultural. Ela é o símbolo de que estamos aqui de passagem, em caráter transitório por este planeta. Mostra que todos somos iguais. Por dentro, não temos cor, sexo, classe social, religião ou preferências outras”, explicou o artista.

Andre Mogle – Andre Bracale Araujo – “Regue bem as sementes, para que tragam bons frutos”: Grafite / Mural

Nos dias 18 e 19 de novembro, quem esteve na cidade foi o artista Andre Bracale Araujo, o Andre Mogle, para pintar um belo mural, que pode ser visto na Rua Benedita Leite, travessa das ruas José Lucas e Treze de Maio, no Centro de Atibaia.

Enchendo os olhos com a mistura de cores e elementos criativos, a arte de Mogle não é meramente decorativa. Suas obras são carregadas de mensagens que transmitem a ideia de valorização da natureza e preservação do meio ambiente, através de personagens fantásticos. Um deles, em especial, está presente na maioria de seus trabalhos, e é uma mistura de humano e planta, representando a importância nas relações entre a humanidade e o mundo que habitamos.

“Eu tenho uma trajetória um pouco longa dentro do grafite, que foi minha chave de entrada para trabalhar com arte. Ao longo desses anos, eu fui criando coisas e essas coisas foram levando para um lado meu que eu fui vendo que era uma raiz, algo que estava dentro de mim, que é esse lance do meu sangue indígena, de uma coisa mais da terra”, contou Mogle.

Para ver as obras do 3º Ocupa Atibaia (2016), acesse:

http://www.incubadoradeartistas.com.br/noticia.php?id=227

Para conferir os trabalhos selecionados no 2º Ocupa Atibaia (2015), clique no link:

http://www.incubadoradeartistas.com.br/noticia.php?id=141

Veja os projetos contemplados pelo 1º Ocupa Atibaia (2014) no link:

http://www.incubadoradeartistas.com.br/noticia.php?id=84

Serviço:

5º Ocupa Atibaia (2018)
Inscrições:
http://www.incubadoradeartistas.com.br/editais/ocupa_2018.asp
Data limite: 4 de março de 2018

Outras Informações

Incubadora de Artistas
Fone: (11) 2427-5345
E-mail:
[email protected]
Site:
www.incubadoradeartistas.com.br
Facebook:
www.facebook.com/INCUBADORAdeARTISTASbrasil

Por: Incubadora de Artistas de Atibaia