Até o fim de 2017, quem anda pelas ruas de Atibaia poderá desfrutar de momentos de inspiração e reflexão a caminho do trabalho, da escola, da rodoviária ou demais afazeres do dia a dia. Isso porque a 4ª edição do Ocupa Atibaia, edital independente da Incubadora de Artistas de fomento à arte de rua, selecionou 15 projetos que prometem modificar a forma como as pessoas enxergam os espaços públicos da cidade.

“Neste ano, recebemos um recorde de inscrições. Foram cerca de 450 trabalhos. Normalmente, selecionamos apenas 10, mas acabamos colocando 5 projetos a mais na lista para poder contemplar um número um pouco maior de artistas”, contou o diretor da associação, Vitor Carvalho.

Cada projeto selecionado nesta edição do Ocupa Atibaia receberá apoio financeiro de R$ 1.500,00.

Outra boa notícia, é que mesmo os artistas que não foram incluídos nessa primeira lista entrarão em um banco de projetos, e ainda podem ser chamados para participar de outros eventos da Incubadora de Artistas, como o Festival Cobertor de Orelha e o Festival do Saci-Pererê, por exemplo.

Confira a seguir o que será visto pelas ruas de Atibaia, a partir dos próximos meses:

Andre Mogle – Andre Bracale Araujo – “Regue bem as sementes, para que tragam bons frutos”: Grafite / Mural

andre_bracale_mogle3

Trabalhando com o grafite como forma de expressão, Andre Mogle apresenta em seus murais elementos e personagens fantásticos que se entrelaçam entre folhas e raízes, procurando, de forma sutil, instigar a reflexão sobre como o homem pode estabelecer potencialmente relações mais seguras com o que está a sua volta.

O mural “Regue bem as sementes, para que tragam bons frutos”, que será executado em Atibaia, pretende conscientizar sobre a importância de recompor áreas desmatadas, através da representação de seres que, em meio à floresta, resgatam as ações do ser humano.

Bia Ferrer – Fabiana Ferreira – Histórias Perdidas: Fotografia / Lambe-lambe

fabiana_ferreira_bia_ferrer_1

“Histórias Perdidas” é um projeto autobiográfico, um diário pessoal e ficcional da fotógrafa Bia Ferrer, que mescla imagens e relatos. A partir de locais onde costuma circular, a artista registrou imagens de situações e pessoas que chamaram sua atenção dentro de um caos visual que é a paisagem urbana. Ela também reuniu fragmentos de histórias reais e/ou ficções, de situações que aconteceram ou não, fatos pessoais e de outras pessoas, conhecidas ou desconhecidas, postadas na internet.

As imagens e histórias formam um relato fragmentado, que será espalhado pela cidade através de cartazes lambe-lambe, oferecendo um desafio à capacidade de abstração do leitor/observador. “Histórias Perdidas” são imagens que traduzem sentimentos compartilhados pela maioria das pessoas.

Cia. Kahal Experimental – Kauê Santoro de Biasi – Gravidade – Performance urbana / Dança

Kahal cia de dança experimental

“Gravidade” é um espetáculo de danças urbanas que aborda os temas da liberdade e superação pessoal, simbolizados pela força gravitacional. A obra, apresentada por sete bailarinos, foi criada em 2013, pelo coreógrafo e diretor artístico, Henry de Camargo, e faz parte do repertório exclusivo do grupo experimental da Cia. de dança Kahal .

O espetáculo apresenta técnicas como o Breaking, Krumping, Popping e House Dance, complementados por movimentações experimentais. A mudança da gravidade representa a chegada a um universo fictício, onde os dançarinos devem se adaptar a um ambiente novo e hostil, que os força, de certa forma, a reagirem ou libertarem-se. O conceito da gravidade não se resume ao fenômeno natural, mas está atrelado à ideia de superação de um obstáculo e do poder do homem de transcender suas próprias dificuldades.

Dogh – Leonardo Godoy dos Santos – Graffiti: Grafite / Mural

leonardo_godoy2

Leonardo Godoy dos Santos, o Dogh, tem 34 anos e atua com grafite desde os 18. Seu estilo apresenta personagens caricatos, com formas distorcidas, quase surreais. Outras vezes, sua arte ganha traços e formas delicadas, além de um toque de realismo.

Em 2009, Dogh fez uma tela ao vivo no programa “Manos e Minas”, da TV Cultura. Em seu maior projeto, pintou a lateral de um prédio na região da Móoca, em São Paulo. No ano de 2014, foi um dos 70 artistas selecionados para grafitar o muro entre as estações Patriarca e Corinthians – Itaquera, do metrô da Capital Paulista, como parte do projeto 4 km, maior da América latina até então. Em 2015, ministrou, junto à prefeitura de Itatiba, uma oficina de grafite com duração de 5 meses e pintou um mural de 80 metros na cidade.

Edu Brisa – Eduardo Brito de Sousa – A Casa de Farinha do Gonzagão: Teatro / Baile

eduardo_brito_casadefarinha1

As composições de Luiz Gonzaga dão origem ao espetáculo que é um híbrido de teatro, música, dança, culinária e público. “A Casa de Farinha do Gonzagão” é ainda um importante instrumento de formação, por difundir características legítimas do povo brasileiro, proporcionando a participação efetiva da plateia, que tem seu lugar de atuador respeitado e garantido durante a apresentação.

Na casa de farinha, a cozinha do sertão, o povo de Luiz Gonzaga trabalha de sol-a-sol na feitura do alimento. A manipulação da mandioca que vai se transformando em farinha diante do público, o coloca em experiência afetiva com esse trabalho. O imaginário popular se reaviva durante o espetáculo e cria uma relação estreita entre palco e espectador, que se redimensiona durante os bailes, embalados pelas canções de Gonzagão.

Elton Hipolito – Lacunas da Memória: Artes Plásticas / Intervenção urbana

Comunhão Artística em Cemitério do Peixe. Minas Gerais. de 04 a 07 de Junho de 2015. © Copyright Élcio Paraíso/Bendita – Conteúdo & Imagem | Todos os direitos reservados | All rights reserved

Partindo de um determinado bairro de Atibaia, o artista Elton Hipolito transitará pelas ruas com a proposta de conhecer e retratar moradores da cidade. Os registros serão feitos por meio de desenhos de observação e/ou fotografia, para posteriormente ser escolhido um personagem que será pintado, com tinta de terra local, em um muro.

A terra da cidade será o elemento fundamental na composição da tinta, no sentido de unir a identidade da pessoa retratada com o seu local de origem ou permanência. A tinta, preparada com um aglutinante de baixa intensidade, se desvanecerá de forma mais acelerada do que em um processo convencional. A intenção é que a pintura permaneça apenas “o período que durar”, uma vez que o trabalho em degradação faz referência com a efemeridade da vida.

Garu – Fernando Silveira Garroux – Garuart: Grafite / Mural

fernando garroux_garu1

Fernando Garroux , conhecido como Garu, atua no grafite há 15 anos. Seu trabalho é influenciado pela fluidez das letras wildstyle e sua inspiração está nas cores e formas da natureza selvagem. As obras do artista contam com uma gama alta de cores e formatos únicos, misturando técnica e criatividade com a cultura hip hop.

Garu foi um dos artistas selecionados da Call Parade 2014 e suas obras podem ser vistas em diversos muros da capital paulista.

Ignoto – Crisitiano Alves de Lima – Azulão: Grafite / Mural

cristiano_alves_ignoto2

Cristiano Alves de Lima, conhecido como Ignoto, é morador do Jardim Romano, zona leste da capital paulista, e criador do personagem “Azulão”, que está estampado em vários muros do Itaim Paulista. Recentemente, o artista ganhou destaque no Portal da Folha de São Paulo, pela arte que desenvolve na região onde mora há 30 anos.

O personagem azul, que traz de um lado uma auréola e, de outro, um chifre, representa as contradições que existem em cada ser humano, e é retratado em diferentes histórias e cenários, divertindo, inspirando ou levando o espectador a reflexões.

KOWS – Brendan John Hudson – Graffiti para Conversar e Colaborar: Intervenção Urbana / Grafite

brendan_john_KOWS1

Nascido em Toronto, Canadá, Brendan John Hudson, o KOWS, é um muralista, artista e educador.  Ele dedica-se a trabalhar com as comunidades com o objetivo de ressignificar espaços sociais e físicos, através do processo de criação de arte. A pedagogia crítica, a educação autossuficiente, os processos de design responsivos, a conversação e a colaboração são centrais para sua prática.

O projeto “Graffiti para Conversar e Colaborar” tem a proposta de criar uma intervenção urbana na cidade usando grafite e muralismo como forma de diálogo e colaboração. O artista pretende, com o trabalho, incentivar grupos de moradores, jovens e crianças a criarem desenhos e planos para a realização de murais.

Leandro Dário – Somos Todos Caveira: Intervenção Urbana / Crochê

leandrodario_somostodoscaveira_02

“Somos todos caveira” é um projeto de street art que consiste no registro de memórias via dispositivo móvel, do cotidiano das cidades. Há dois anos, o artista Leandro Dário realiza pequenos manifestos em crochê e maxi bordados em ponto-cruz, em várias cidades no mundo. Pequenas caveiras, que representam a igualdade entre os seres humanos, são espalhadas pelas ruas, deixando essa mensagem para aqueles que andarem pelos locais onde a arte foi deixada, sempre sujeita às ações do tempo e do homem.

Nando Rocha – Fernando Alves Rocha – SeteMundos – Performance Artística / Teatral

fernando_alves_setemundos1

O espetáculo SeteMundos pretende promover a reflexão sobre o lugar e o modo como vivemos em sociedade. Espaços da cidade serão ocupados por cenas e intervenções urbanas de dança-teatro-performance, recriando ou ressignificando esses mesmos locais, provocando um embate estético e reflexivo sobre a vida na cidade.

Fundado por um grupo de amigos, o Grupo Sonhus Teatro Ritual é hoje uma referência internacional em teatro, tendo se apresentado ao longo de seus 20 anos em diversas cidades do Brasil e em países da Europa, Estados Unidos, Argentina, Colombia e Japão. Formado atualmente por quatro atores, o coletivo prima pela qualidade de seus espetáculos, buscando estabelecer uma relação sincera com o público.

Rafael Barroso – Espetáculo Segura, Mamãe!: Circo / Teatro de Rua

rafael_barroso_Segura Mamae_Credito Diego Bresani_Baixa

O espetáculo “Segura, Mamãe!”, da Cia da Sorte, unirá circo e teatro em uma apresentação que conta a história de Dona Lelê e Trevolino. Os personagens, que fogem de um circo em um Fusca 64, levando tudo o que possuem, sonham em montar seu próprio negócio, mas acabam se metendo em muitas trapalhadas. A apresentação interativa mescla palhaçadas às técnicas de equilibrismo, malabarismo e mágica, sempre com a participação da plateia.

A Cia da Sorte surgiu em 2013 como projeto independente e itinerante, dos artistas Rafael Trevo e Lelê Marins, com o objetivo de trabalhar a arte não só como um meio de entretenimento, mas também como um mecanismo de reflexão e conscientização socioambiental.

Robolito – Adriano Ferreira Bohra – Odisseia : Grafite / Mural / Escultura

adriano_ferreira_robolito1

Adriano Bohra, o Robolito, atua em Curitiba desde 2005. Seus trabalhos mesclam a arte e os meios urbanos em um só elemento, utilizando-se de cores, padronagens geométricas e linguagem despojada para questionar a materialidade cinza existente nas cidades.

Ao ironizar esse espaço cinza com a intervenção de cores e com robôs que subvertem a utilização de automóveis, computadores e máquinas, as obras de Robolito transformam o meio positivamente, chamando a atenção para aquilo que ainda nos mantém vivos: o imaginário.

TOSKO – Fernando Pimentel – Simbiose Urbana: Grafite / Mural

fernando_pimentel_tosko3

Fernando Pimentel, mais conhecido como TOSKO, se apropria ou cria símbolos e significados em murais, como forma de explicar suas ideias e visões do comportamento humano dentro da sociedade e natureza.

O artista propõe, através do mural “Simbiose Urbana”, abordar essa interação entre homem e meio ambiente, realizando uma breve pesquisa com os moradores locais, para buscar um tema de construção da obra, em uma troca de experiências vividas por ele e pela comunidade.

Will Art – Wilians Santos de Souza – Art Street : Grafite / Mural

will_1

Artista atibaiense, Will começou a fazer grafite em 2001, inspirado pela cultura Hip Hop, a partir do projeto social ICJ (Incentivadores da Consciência Jovem). Desde então, aperfeiçoou e desenvolveu suas técnicas e passou a trabalhar também com customização e personalização de autos.

Suas maiores referências são Jerry Batista e Binho do Terceiro Mundo. Em suas obras, o artista procura transmitir ideais de paz, igualdade de direitos, justiça social e liberdade.

Outras Informações

Incubadora de Artistas
Endereço: Praça Claudino Alves (da Matriz), 78 – Centro – Atibaia – SP
Fone: (11) 2427-5345
E-mail: [email protected]
Site: www.incubadoradeartistas.com.br
Facebook: www.facebook.com/INCUBADORAdeARTISTASbrasil

Por: Incubadora de Artistas de Atibaia