Entre os dias 19 e 21, o Centro Cultural Geraldo Pereira exibe gratuitamente a mostra “Cinema e Direitos Humanos no Mundo”. Em sua 10ª edição, a mostra é realizada pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República com a produção do Instituto Cultura em Movimento (ICEM). Em Bragança, são três programas com sessões gratuitas de filmes ligadas à temática, com início às 19h30.

No dia 19, foram exibidos os documentários “Abraço de Maré” e “Félix, o Herói da Barra”. O primeiro conta a história de uma família ribeirinha cuja casa fica às margens do rio Potengi. A classificação é livre. O documentário “Félix, o Herói da Barra” conta a história do personagem que dá nome a produção, um ex-escravo que lutou na guerra do Paraguai e que teria recebido do imperador D. Pedro II uma grande extensão de terra como recompensa. A classificação também é livre.

Já no dia 20, é a vez das produções “O Muro é o Meio” e “Porque Temos Esperança”. Em “O Muro é o Meio” são abordadas as pichações de protesto nos muros da Universidade Federal de Sergipe, que contêm mensagens de revolta por falta de segurança no campus, estrutura e qualidade de ensino. O documentário “Porque Temos Esperança” traz a história de Marli, uma pernambucana que começa a percorrer presídios de Recife com o objetivo de que pais reconheçam seus filhos e assim reconstruam suas vidas. A classificação etária de ambos os filmes é de 10 anos.

E por fim, no dia 21, serão exibidas as produções “Do meu Lado” e “500 – Os bebês roubados pela Ditadura Argentina”. O primeiro é um filme de ficção que retrata a convivência de duas vizinhas, uma umbandista e uma protestante. A classificação é livre. O documentário “500 – Os bebês roubados pela Ditadura Argentina”, retrata os anos sombrios da ditadura militar no país. Durante este período, várias famílias foram despedaçadas pela repressão clandestina e uma das práticas mais aterrorizantes deste regime era o sequestro sistemático de bebês e crianças, filhos de presos e desaparecidos políticos. A partir de uma iniciativa das “Avós da Praça de Maio” criou-se o “Banco dos 500”, com amostras de sangue, o que possibilitou, até agora, a descoberta de 114 das 500 crianças sequestradas. A classificação etária é de 12 anos.

Não há necessidade de ingressos para assistir aos programas.

Serviço:

– Centro Cultural Geraldo Pereira: praça Coronel Jacinto Osório, 26, Matadouro, Bragança Paulista.​

10ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Mundo

Criada em 2006 como uma das ações estratégicas da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) para celebrar o aniversário da Declaração Universal de Direitos Humanos, proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948, a Mostra Cinema e Direitos Humanos foi expandida ao longo dos últimos 10 anos e, atualmente, ocorre em todas as capitais federais do Brasil.

A Mostra é uma das estratégias do Governo Federal para consolidação da cultura e da educação em Direitos Humanos, ampliando espaços de debate e discussão por meio da linguagem cinematográfica e contribuindo para a formação de uma nova mentalidade coletiva para o exercício da solidariedade, do respeito às diversidades e da tolerância.

Nestes dez anos, a Mostra expandiu em alcance e em escopo – da América do Sul para o Hemisfério Sul, e agora, na 10ª Edição, como Mostra Internacional, além de contar, pelo terceiro ano consecutivo, com cerca de 1.000 pontos de difusão pelo país, assumindo assim um caráter descentralizador e democrático.

Realizada pela SDH/PR, a 10ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Mundo é  produzida pelo Instituto Cultura em Movimento – ICEM

.
.

Fonte: Prefeitura de Bragança Paulista